Paulo Henrique (PH) – montanhista desde 1982 e escalador desde 1986. Guia e Instrutor certificado pela Associação de Guias, Instrutores e Profissionais de Escalada do Estado do Rio de Janeiro – Aguiperj

Informações sobre onde praticar e sobre cursos de escalada entre em contato no e-mail - phmontanha@hotmail.com

Últimas

LOCAIS PARA ESCALAR NO AMAZONAS E EM RORAIMA

Escaladas no AM e RR

Escaladas no AM e RR

Vias no AM e RR

Vias no AM e RR

Segunda via do Camelo em Vila Baraúna – Caracarai – RR

E saiu a segunda via do Camelo!
No dia 22 de abril último, eu, Daniel, Leandro e Yuri finalizamos a via Toca Pra Baixo Que Tá Quente. A graduação sugerida está na casa do 4 VI tendo cerca de 225m de extensão. A via Toca Pra Baixo segue mais à direita da primeira via (Canaleta de Fogo) e por uma linha totalmente independente.
A base também fica somente a alguns metros mais à direita da via de conquista do cume e começa em uma fenda nota 10 com utilização de um jogo entre 7 a 10 peças, tendo a laçada de duas pedras que estão entaladas na fenda e a possibilidade de utilização de nuts.

As dicas de como chegar na montanha, bem como outras dicas logísticas para escaladas nessa região estáo no post anterior!

A seguir fotos e o croqui da via!

Em Laranja a Via Canaleta de Fogo e em roxo a Via Toca pra Baixo

Em Laranja a Via Canaleta de Fogo e em roxo a Via Toca pra Baixo

croqui da via Toca pra Baixo – Camelo

Daniel, Yuri, Leandro e eu no cume do Camelo - via Toca pra Baixo

Daniel, Yuri, Leandro e eu no cume do Camelo – via Toca pra Baixo

P4 da via

P4 da via

Terceiro esticão

Terceiro esticão

Início da via

Início da via

Conquista da Serra do Camelo – Vila Baraúna – Caracaraí – RR

Cume da Serra do Camelo

Cume da Serra do Camelo

E estávamos no cume de uma montanha em Roraima que nunca tinha sido frequentada por um ser humano…09/12/2016!!!
Embora a conquista não tenha apresentado grandes dificuldades técnicas, chegar no alto dessa serra me custou três idas à Vila Baraúna em Caracaraí – RR distante cerca de 560km de Manaus.
Em 2014 eu já tinha realizado uma viagem exploratória à região para ver o potencial das escaladas. Em Abril desse ano (2016) eu havia tentado com outro grupo de escaladores acessar a base do Camelo, mas não foi possível…naquela época conseguimos abrir a primeira via tradicional nas serras que circundam a Vila Baraúna (via Feldspato Assassino 3 V E2 140m)…agora a via Canaleta de Fogo (4 VI E2/E3 250m) foi a segunda da região e a primeira do Camelo!
Eu, Italo, Leandro e Fred fizemos um reconhecimento no dia 08 de dezembro para possibilitar um acesso objetivo à montanha. Através de dicas preciosas do Seu Adão conseguimos de “primeira” fazer um acesso direto a partir da Vicinal 27.
O Seu Adão é o principal ponto de apoio para quem vai escalar naquela região, pois além de conhecer bem as serras, ele possui uma área em que é possível acampar. Ele também tem uma mercearia e a sua esposa prepara um jantar e café da manhã nota 10! Luxo total!!

Camelo visto da Vicinal 27

Camelo visto da Vicinal 27

A seguir segue um texto feito pelo Italo sobre como chegar e dicas sobre a trilha de acesso:

A Serra do Camelo fica localizada na comunidade de Vila Maraúna, Município de Caracaraí, estado de Roraima. A vila (dista cerca de 560 km de Manaus e 179 km de Boa Vista) possui pouca infra estrutura, com alguns comércios (onde se pode comprar alimentos a preços honestos) e existe apenas um telefone publico (não funciona celular na localidade). A BR 432 que corta a vila não possui asfalto, porém se encontra em boas condições, podendo trafegar tranquilamente a 90 km/h.

Para chegar à Vila Baraúna:

Melhor com veículo próprio (é possível ir de ônibus, pois existe linha que passa na Vila a partir de Rorainópolis e de Boa Vista)

Partindo de manaus

Tomar a rodovia BR 174, seguir ate o Km 500 (onde há a famosa rotatoria do 500) e seguir reto tomando a saída que segue para a BR 432 (a estrada de barro), seguir por mais 50 km nessa estrada e você chegará Vila Baraúna. Da Vila já se avista a Serra do Camelo bem próxima.

Obs. No km 500 se seguir para a direita, vc irá seguir para os municipios de São João da Baliza, Sao Luiz do Anauá e Caroebe onde pode ser encontrada uma boa quantidade de rocha e também alguns morros. Nesses municípios já foram abertas vias de escalada, bem como aberto diversos lances de boulders. Se seguir à esquerda irá continuar pela BR 174 até chegar em Boa Vista. Mucajaí fica um pouco antes de Boa Vista e ao lado da BR 174. Nessa cidade há vias de escalada que já foram conquistadas também.

Partindo de Boa Vista (trajeto nao feito pelos escaladores)

Tomar a BR 432(estrada de barro) e seguir por cerca de 179 km até chegar a Vila Baraúna.

Acomodações.

Como não há hotel na vila, encontramos um ponto de apoio na casa do seu Adão (que funciona como mercearia também). La pudemos armar nossas barracas e negociar as refeições feitas pela esposa deste (comida excelente por sinal) e tomar algumas cervejas. Tudo por um preço muito honesto. A casa do seu Adão se localiza na vicinal 27 a 08 km da Vila Baraúna.(A Vicinal 27 também é a vicinal de acesso a trilha da base da Face Leste da Serra do Camelo). É muito recomendável se acomodar ali, pois seu Adão e sua família são pessoas muito boas e profundos conhecedores da região.

 Adão, Arthur (seu filho) e os conquistadores

Adão, Arthur (seu filho) e os conquistadores

A trilha.
Partindo da casa do seu Adão, deve-se andar 4 km sentido a Serra do Camelo, passando por 3 pontes. Primeiramente você irá ver a serra em sua face oeste, visualizando a aresta lateralmente. Assim que for percorrendo a estrada e ver a aresta de frente, você começará a ver também o outro lado da serra – Face Leste. Comece a olhar atentamente e verá uma casa de madeira, recém construída, com um cajueiro na frente. A trilha inicia por trás dessa casa. A principio encontrará muita vegetação na linha da cintura por cerca de 50 m ate entrar na zona de árvores. A partir daí a trilha segue por uma picada (marcada com fitas) para esquerda ate passar por um leito de igarapé seco. Atravesse-o e andando por cerca de 150 m em algo parecido com um bosque( avistando a parede) encontrará um tronco caído. Desse ponto você estará vendo quase o tempo todo a Face Leste do Camelo – Siga pendendo um pouco para a esquerda por cerca de 100 metros ate encontrar uma zona ALAGADA (charco). Siga por uns 80 m ate encontrar uma área de capim navalha, caminhe pelo capim navalha por cerca de 50 m e a partir daí o ambiente volta a melhorar. Após 150 metros vera outro tronco caído(este muito maior) siga pela esquerda deste ate encontrar um igarapé com água. Atravesse-o e ande mais 50 metros e encontrará outro igarapé. A partir daí já é possível ver grandes blocos caídos!! Andando pelos blocos, à esquerda, consegue-se ver a rampa de acesso a parede da escalada. É uma escalaminhada de cerca de 150m até a base da via!
A trilha, se aberta, leva cerca de 45 min para ser feita, sendo recomendado levar um facão para abrir trechos que porventura estejam com muita vegetação.

início da escalaminhada até a base da via

início da escalaminhada até a base da via

Coordenadas de interesse

Casa do seu Adão
N 01.69091°
W 060.36802°

Entrada da trilha
N 01.70430°
W 060.33306°

Parede da via
N 01.70887°
W 060.34061°

Sobre a conquista da via eu considerei uma escalada rápida, pois conseguimos proteger em móvel em boa parte.
A base pode ser considerada nota 10! Tem espaço, é plana e dá uma visão boa do início da escalada.
A via começa com lances de agarras e uns 6 m acima vem a primeira proteção em móvel em uma fenda horizontal. Depois segue-se uma diagonal para a direita até encontrar o diedro.
O filé da via sem dúvida é o primeiro esticão, pois esse diedrinho tem uns 15m e possibilita proteger bem com peças pequenas equivalentes ao Cam do .1 ao .5.
Após o diedro segue-se à esquerda em direção aos lances crux da via. Uma canaleta lisa, mas que possui uma fenda larga – Off Width de primeira. Os lances guiando devem ser um VI grau. No primeiro Off Width dá para proteger em uma àrvore que está na fenda. O segundo lance eu protegi com o Cam.75, mas dá para colocar do .5 ao 1. Essa proteção ocorre em um pequeno bloco de pedra que se destaca na fenda antes de chegar na primeira parada que é em uma árvore em um pequeno plato (P1)

Diedro

Diedro

img_1944

De P1 a via segue pela canaleta para cima e há mais um lance de Off Width protegido por Cam 1 (dá para proteger com peças maiores também tipo Cam 3.
Após esse terceiro lance de Off a via diminui a inclinação, passa pela parada dupla de rapel (que é feito por fora da canaleta) e por um pequeno trecho de escalaminhada até um pequeno plato à direita de uma árvore seca. Nesse local é P2.

Leandro no terceiro-off-width

Leandro no terceiro-off-width

O terceiro esticão é em parede positiva e com pequenas agarras – há a opção na metade desse esticão em progredir no estilo chaminé. São cerca de 50m com graduação de II e um lance de III mais no final até chegar no grande plato com vegetação (P3).

De P3 para P4 basta caminhar contornando pela direita uma área com bastante vegetação até chegar no início de uma chaminé que é onde continua a via. Na saída da chaminé e à esquerda vc encontrará a segunda proteção fixa da via que protege uma pequena barriguinha antes de acessar a parada dupla do primeiro rapel, a rampa e a aresta do Camelo.

Início da chaminé

Início da chaminé

Italo na parada dupla do primeiro rapel e última proteção fixa da via

Italo na parada dupla do primeiro rapel e última proteção fixa da via

A parti da parada dupla do primeiro rapel, que é a última proteção fixa da via, serão cerca de 100m de escalaminhada até o cume indo na direção da aresta do Camelo. Há um trecho final com uma fendinha e que deve ser um II, mas bem tranquilo!

Escalaminhada ao cume

Escalaminhada ao cume

escalaminhada-aresta

escalaminhada-aresta

Aresta final antes do cume

Aresta final antes do cume

A visão de cima do cume é bem ampla e de lá dá para perceber que há muitas serras nas redondezas!

Fred assinando o livro de cume

Fred assinando o livro de cume

cume do Camelo com visão da Vicinal 27

cume do Camelo com visão da Vicinal 27

Para a descida deve-se desescalar a escalaminhada até a parada dupla do primeiro rapel. Embora seja uma descida fácil requer cuidados pois há muita pedra solta. O primeiro e o terceiro rapeis são por fora da via.
No primeiro rapel você acessará P3, mas o último escalador a descer pode realizar uma parada intermediária em uma árvore que se localiza cerca de 10m antes de P3. Isso facilitará a puxada das cordas.
O segundo rapel é em árvore no plato da P3.
A escalada só é possível com duas cordas de 50m, pois só há 4 proteções fixas na via toda, sendo que duas destas são paradas duplas para rapel.

O croqui da via pode ser acessado abaixo!!!

croqui

Segue-se um vídeo feito pelo Fred e que está no youtube:

O livro de cume está esperando repetições!!!

Livro do cume

Livro do cume

Espirito Santo das muitas montanhas!!!

Espirito Santo, com certeza, um dos Estados com maior quantidade de montanhas do Brasil!
De Norte a Sul você encontrará opções para boas caminhadas e escaladas de diferentes níveis.
Recentemente fiz uma viagem passando por Cachoeiro do Itapemirim, Vargem Alta,Rio Novo do Sul, Itapemirim, Domingos Martins (Pedra Azul), Afonso Cláudio, Laranja da Terra, Itaguaçu, Pancas e Aguia Branca. Em cada uma dessas cidades há diversas possibilidaes de escalada em rocha e camnhadas.

O Complexo do Itabira localiza-se em Cachoeiro do Itapemirim. Na internet há muitas dicas sobre a área e sobre o acesso que é muito fácil. Na cidade há boas opções de hospedagem, mas há um camping chamado Camping Sitio Itabira.

Croqui feito pelo Oswaldo Baldin - Complexo do Itabira

Croqui feito pelo Oswaldo Baldin – Complexo do Itabira

Eu chegando na base das escaladas no Complexo do Itabira

Eu chegando na base das escaladas no Complexo do Itabira

Pico do Itabira

Pico do Itabira

Pico do Itabira - muita história envolvida com as conquistas desse cume.

Pico do Itabira – muita história envolvida com as conquistas desse cume.

O acesso para o Frade e a Freira se dá praticamente ao lado da entrada para Cachoeiro do Itapemirim quando se está na BR 101

O acesso para o Frade e a Freira se dá praticamente ao lado da entrada para Cachoeiro do Itapemirim quando se está na BR 101

Frade visto do inicio da trilha. O acesso para chegar na montanha é bem fácil.

Frade visto do inicio da trilha. O acesso para chegar na montanha é bem fácil.

Cume do Frade

Cume do Frade

Complexo do Itabira visto do Frade

Complexo do Itabira visto do Frade

A via de acesso ao cume é bem fácil, mas é importante a utilização de equipamentos

A via de acesso ao cume é bem fácil, mas é importante a utilização de equipamentos

Pedra Azul em Domingos Martins

Pedra Azul em Domingos Martins

Chegando póximo a Pousada Cantinho do 3 Pontões em Afonso Cláudio

Chegando póximo a Pousada Cantinho dos 3 Pontões em Afonso Cláudio

Na trilha dos 3 Pontoes em Afonso Claudio

Na trilha dos 3 Pontoes em Afonso Claudio

Itamar e Margareth da Pousada Cantinho dos 3 Pontões. Eles tem whattsapp (27) 999140290

Itamar e Margareth da Pousada Cantinho dos 3 Pontões. Eles tem whattsapp (27) 999140290

Parando para curtir o visual durante a escalada do 3 Pontões em Afonso Cláudio

Parando para curtir o visual durante a escalada do 3 Pontões em Afonso Cláudio

No caminho para os 5 Pontões de Laranja da Terra. O Camping Recanto de Pedra é a base de apoio

5 Pontões de Laranja da Terra. O Camping Recanto da Pedra é a base de apoio

Antonio e Luzia - proprietários do Recanto da Pedra. O whatts deles é (27) 999877648

Antonio e Luzia – proprietários do Recanto da Pedra. O whatts deles é (27) 999877648

Vista dos 5 Pontões da área do camping

Vista dos 5 Pontões da área do camping

Na trilha para o Pontão Maior

Na trilha para o Pontão Maior

Cume do Pontão Maior

Cume do Pontão Maior

5 Pontões

5 Pontões

Chegando em Pancas

Chegando em Pancas

Área do Camping Cantinho do Céu em Pancas

Área do Camping Cantinho do Céu em Pancas

Fábio (proprietário do Cantinho do Céu), sua mãe e eu

Fábio (proprietário do Cantinho do Céu), sua mãe (Dona Joana) e eu. O tel do camping é (27) 996209357 e (27) 995227924

Dando uma escalada na Pedra do Camelo em Pancas - ES

Dando uma escalada na Pedra do Camelo em Pancas – ES

Após a escalada na Pedra do Camelo... curtindo o visual com a Pedra do Fio ao fundo

Após a escalada na Pedra do Camelo… curtindo o visual com a Pedra do Fio ao fundo

Visual das montanhas ao redor da cidade de Pancas

Visual das montanhas ao redor da cidade de Pancas

Chegando na cidade de Águia Branca - ES

Chegando na cidade de Águia Branca – ES

Via Café com Boi em Águia Branca

Via Café com Boi em Águia Branca

Wagner, filho do dono da propriedade que fica em frente aos 3 Pontões de Águia Branca

Wagner, filho do dono da propriedade que fica em frente aos 3 Pontões de Águia Branca

Apreciando o visual do vale durante uma escalada na área dos 3 Pontões de Águia Branca

Apreciando o visual do vale durante uma escalada na área dos 3 Pontões de Águia Branca

No costão dos 3 Pontões de Águia Branca

No costão dos 3 Pontões de Águia Branca

3 Pontões - Águia Branca

3 Pontões – Águia Branca

Espírito Santo - um paraíso da escalada em rocha!!!

Espírito Santo – um paraíso da escalada em rocha!!!

Em Águia Branca não há camping, mas existe um hotel chamado Universal bem no centro da cidade com preço bem acessível.
Para maiores informações sobre as escaladas no ES, consulte os sites do Oswaldo Baldin http://www.oswaldobaldin.com.br/ e
do Naoki Arima http://naokiarima.com/blogwp/croquiteca/es/

Km 113 da Rodovia BR 174 – Presidente Figueiredo – AM

Pessoal

Recentemente eu coloquei as proteções fixas nas vias que haviam sido escaladas em 2012 por mim e pelo Tropico no Balneário Santa Lúcia (KM 113). Em 2013 nós tentamos colocar as proteções, mas observamos que havia a necessidade de uma preparação química para a fixação das proteções.
O trabalho nas primeiras vias vias foi terminado há poucos dias. O local conta até agora com 6 vias e um projeto em andamento.
A área é bastante aprazível, pois conta com banheiros, área de camping, um igarapé com águas frias, venda de bebidas e tudo isso a cerca de 20m da rocha.
Abaixo seguem algumas fotos:

 Passando o crux da via Galo da Serra

Passando o crux da via Galo da Serra

Fred costurando - via Arenitão

Fred costurando – via Arenitão

via Arenitão

via Arenitão, a via Aprendendo a Voar segue para a esquerda e por cima do teto a partir da primeira costura da via Arenitão

DSCF5491

DSCF5492

Catálogo de Vias – Serra Geral – Santa Catarina

IMG_1471

IMG_1472

catalogo 311

Conquistas de vias em Caracaraí – Roraima

Nos dias 25, 26 e 27 de março fui com colegas de escalada de Manaus – AM ao Centro Sul de Roraima para tentar iniciar mais uma via de escalada naquela área. Eu já havia passado outras vezes na Vila Baraúna em Caracaraí, inclusive pesquisando as montanhas e morros da região que possuem potencial para novas vias.

Assim, no dia 25 de março quando chegamos na Vicinal 27 na Vila Baraúna nós decidimos tentar explorar um caminho para acessar a Serra do Camelo, onde existe uma montanha com paredes muito bonitas e que está na “agenda” para futuras vias. O caminho não foi fácil, pois pegamos muitas subidas e descidas. No entanto, obtivemos uma boa noção de qual é o melhor caminho para acesso a montanha.

No retorno da caminhada conhecemos o Sr. Adão que possui um comércio próximo do acesso à Serra do Camelo. O local é um bom ponto de apoio, pois tem espaço para acampamento, comida, banho e até combustível. O Sr. Adão também é um bom conhecedor da região e nos deu boas dicas sobre as caminhadas para o Camelo.

No dia 27 saímos cedo na direção da Vicinal 29 que possui montanhas e morros com bom potencial. Após dar uma observada em toda a extensão da estrada nós decidimos verificar um morro que fica próximo da Vicinal. Após uma caminhada de cerca de 15 minutos chegamos a base da parede e não perdemos tempo. Com a furadeira, chapeletas e kit conquista prontos tocamos para cima. A via em geral é fácil, sendo que somente o primeiro esticão exige um pouquinho de atenção. Há umas duas passadas de quinto grau com a proteção um pouco distante. O resto da via é passeio até o cume.

No dia 28 aproveitamos para passar na área de escalada de Rorainópolis – RR e repetir as vias e boulders que já abrimos naquela área.

Serra do Camelo - Caracarai - Roraima Serra do Camelo – Caracarai – Roraima[/caption]

Eu em P2, mais abaixo André e Italo fechando o primeiro esticão

Eu em P2, mais abaixo André e Italo fechando o primeiro esticão

Próximo do cume - Caracarai - RR

Próximo do cume – Caracarai – RR

Foto do cume - da esquerda para a direita - André, Lila, Italo e PH

Foto do cume – da esquerda para a direita – André, Lila, Italo e PH

Via Chuva de Feldspato

Via Chuva de Feldspato

Utah – Indian Creek e Moab

Dirigindo entre o Grand Canyon e Moab

Dirigindo entre o Grand Canyon e Moab

Aí tem vias tradicionais...

Aí tem vias tradicionais…

Monument Valey

Monument Valey

Monument Valey

Monument Valey

Nos cenários dos filmes de bang bang - Monument Valey National Park

Nos cenários dos filmes de bang bang – Monument Valey National Park

Montanhas Rochosas

Montanhas Rochosas

Indian Creek

Indian Creek

Indian Creek - só móvel...

Indian Creek – só móvel…

Fendas nota 10!

Fendas nota 10!

Eu e Paulinha na base das vias

Eu e Paulinha na base das vias

Potash Road - Moab - Um paraíso!!!

Potash Road – Moab – Um paraíso!!!

Muita parede com acesso facílimo!!!

Muita parede com acesso facílimo!!!

Vias com fendas de tudo que é jeito...

Vias com fendas de tudo que é jeito…

Um rack completo até o Camalot 3 possibilita escalar um sem número de vias...

Um rack completo até o Camalot 3 possibilita escalar um sem número de vias…

Via Flakes of Wrath - Potash Road - Moab - Utah

Via Flakes of Wrath – Potash Road – Moab – Utah

Chegando no Crux

Chegando no Crux

Via Mini Me 5.9+

Via Mini Me 5.9+

Via aberta pelo Rob Williams

Via aberta pelo Rob Williams

Cada Parede...

Cada Parede…

Arches National Park - Moab - Utah

Arches National Park – Moab – Utah

Arches National Park - Moab - Utah

Arches National Park – Moab – Utah

Arches National Park - Moab - Utah

Arches National Park – Moab – Utah

Arches National Park - Moab - Utah

Arches National Park – Moab – Utah

Arches National Park - Moab - Utah

Arches National Park – Moab – Utah

por onde começar...

por onde começar…

Grand Canyon National Park – EUA

Escaladas no Grand Canyon

Escaladas no Grand Canyon

Rocha de qualidade!

Rocha de qualidade!

muito visual!

muito visual!

tocando pra cima!!

tocando pra cima!!

Paulinha bem agasalhada para enfrentar o frio!!!

Paulinha bem agasalhada para enfrentar o frio!!!

Vias com uma vista espetacular do Grand Canyon

Vias com uma vista espetacular do Grand Canyon

Equipado...

Equipado…

tinha que rolar um boulder também

tinha que rolar um boulder também

Boulder com visual

Boulder com visual

Trilha nota 1000

Trilha nota 1000

Sensacional

Sensacional

Lugar especial

Lugar especial

Hermit trail

Hermit trail

No alto das vias de escalada

No alto das vias de escalada

Muita parede...

Muita parede…

Dá para escalar muito...

Dá para escalar muito…

Visual 10

Visual 10

Joshua Tree National Park – EUA

Saddle Rock area - Joshua Tree

Saddle Rock area – Joshua Tree

Ótimas vias em móvel

Ótimas vias em móvel

!!! show !!!

!!! show !!!

só móvel

só móvel

tocando pra cima - Joshua Tree

tocando pra cima – Joshua Tree

Parada em bico de pedra...via tradicional é aventura!!!

Parada em bico de pedra…via tradicional é aventura!!!

Parada em móvel....Joshua Tree

Parada em móvel….Joshua Tree

cume!!!

cume!!!

Visão do Cume!

Visão do Cume!

Tick Rock – Los Angeles

Tick Rock - vias esportivas

Tick Rock – vias esportivas

Galera da escalada

Galera da escalada

Paulinha na seg...

Paulinha na seg…

Yosemite National Park – EUA

Chegando no parque

Chegando no parque

Yosemite - Five Open Books - P3

Yosemite – Five Open Books – P3

Paulinha vindo em um diedro muito bonito!

Paulinha vindo em um diedro muito bonito!

Vista do vale a partir da via de escalada

Vista do vale a partir da via de escalada

Eu quase finalizando a via!

Eu quase finalizando a via!

Paulinha - Five Open Books

Paulinha – Five Open Books

boulders no Camp 4

boulders no Camp 4

Midnight Lightning - um boulder lendário no Yosemite

Midnight Lightning – um boulder lendário no Yosemite

Swan Slab - Yosemite

Swan Slab – Yosemite

Escalada em móvel - fendas 10! Yosemite National Park - EUA

Escalada em móvel – fendas 10! Yosemite National Park – EUA

Urso escala!!!

Urso escala!!!

Eu na base do El Captain

Eu na base do El Captain

Trilha para a Vernal Fall

Trilha para a Vernal Fall

Red Rock (Las Vegas) – EUA

Entrada de Red Rock

Entrada de Red Rock

Na trilha para as vias de Red Rock - Las Vegas

Na trilha para as vias de Red Rock – Las Vegas

Na base

Na base

Red Rocks

Red Rock

Primeiro esticão de corda - Red Rocks - Las Vegas - EUA

Primeiro esticão de corda – Red Rocks – Las Vegas – EUA

Paulinha na P1 da via Physical Graffiti - Red Rocks

Paulinha na P1 da via Physical Graffiti – Red Rock

Segundo esticão - fendinha danada!!!  Red Rocks - Las Vegas

Segundo esticão – fendinha danada!!! Red Rock – Las Vegas

Um visual da via em P2 - Red Rocks

Um visual da via em P2 – Red Rock

Paulinha no final da via!

Paulinha no final da via – Cidade de Las Vegas ao fundo!

Paredão do Sr. Gaucho

Novo point que está sendo desenvolvido pela galera da escalada de Manaus.
Já foram abertas algumas vias e há projetos em andamento.
Essa área fica exatamente na frente da entrada para o Paredão do Barreto e do outro lado da rodovia para Balbina – AM

Via dos Alunos

 Conquista da via dos Alunos

Italo testando a via Joker

Italo testando a via Joker

galera na base das vias

galera na base das vias

Essa última foto tem o crédito de Thiago Bicudo

Psicoblocs e boulders na Cachoeira do Santuário

Eu já havia colocado um post no meu BLog de 10 de junho de 2012 falando sobre falésias e boulders na Cachoeira do Santuário. Naquela época eu não visualizei o potencial da área de psicobloc. No entanto, há dois meses atrás eu retornei na cachoeira e quando estava debaixo de uma das cachoeiras eu pensei porque não subir??? E assim, mais um psico foi conquistado. A queda na água é muito boa e sem perigo. A única atenção requerida é com as pessoas que de vez em quando passam em baixo.

Agora no feriado de 07 de Setembro retornei lá com a família e pude presenciar a primeira repetição da Mayara que mostrou muita capacidade técnica e controle emocional, pois o crux do psico é no final e com toda aquela galera em baixo torcendo ela mandou…

A seguir algumas fotos de escaladas na área.

PH psico no Santuário

Mayara realizando a primeira repetição do Psico Drag Queen

Mayara realizando a primeira repetição do Psico Drag Queen

Lola e Michele no psico do santuário

Lola e Michele no psico do santuário

Falésias - Santuário

Falésias – Santuário

Na área há outras possibilidades de conquista de psico e muitas travessias como a que a Michele está fazendo abaixo!!!

Michele em uma das travessias na cachu do Santuário

Michele em uma das travessias na cachu do Santuário

A área oferece outras atrações…olha aí a Paulinha mandando um pulo….a cachoeira do psicobloc mostrado nas fotos acima está aparecendo ao fundo.

Paulinha no momento do pulo.

Paulinha no momento do pulo. O psico está aparecendo ao fundo!!!

Escalada em rocha – São Luiz do Anaua, São João da Baliza e Caroebe no Sul de RR

Em 2014 eu comecei a viajar para o Estado de RR com o objetivo específico de tentar encontrar locais para a prática da escalada em rocha e de trilhas em montanhas.
Neste último feriado (01 de maio) fui mais uma vez ao Sul do Estado, especificamente às cidades de São Luiz, São João da Baliza e Caroebe, sendo que no último dia passamos no Parque dos Boulders em Rorainópolis para a galera conhecer algumas vias e alguns boulders no estilo high ball.
O acesso ao points acima mencionados se dá pelas BR 174 e 210, sendo a primeira totalmente asfaltada e a segunda parcialmente.
Há boas opções de hospedagens (baratas) e de refeição. Coloquei algumas dicas em um post anterior (o da primeira viagem – exploratória).
Desta vez abrimos 03 vias de escalada e conhecemos mais uma boa área com muitos boulders. Realmente o granito é muito bom!

Via Nós e a Chuva - São Luiz do Anaua - RR

Via Nós e a Chuva – São Luiz do Anaua – RR

A Via Nós e a Chuva está em uma parede com costões com baixa graduação (entre I e II+) com uma barriguinha no seu primeiro terço. Ideal para iniciantes, possibilitando uma visão muito boa das demais serras na região. Tem cerca de 120m e somente 03 proteções em toda a sua extensão. A trilha a partir da BR 210 é no visual, pois a parede está relativamente próxima da estrada.

Via Nós e a Chuva - São Luiz do Anaua

Via Nós e a Chuva – São Luiz do Anaua

Via Piolho de Cobra III+  em São Luiz do Anaua

Via Piolho de Cobra III+ em São Luiz do Anaua

A via Piolho de Cobra III+ E1 está localizada em uma parede cerca de 500m à direita de quem sai de São Luiz com sentido a São João da Baliza. Há um costão de I grau para subir até o alto e a partir daí descer em direção a São Luiz (lado direito de quem está subindo). Deve-se rapelar a via até a sua base.

Base da Via Lacaroebe IV E1/2

Base da Via Lacaroebe IV E1/2

Colocando a última proteção fixa na Via Lacaroebe - Município de Caroebe - RR

Colocando a última proteção fixa na Via Lacaroebe – Município de Caroebe – RR

A Via Lacaroebe IV E1/2 está localizada na serrinha em uma vicinal logo antes da cidade de Caroebe. É necessário percorrer uma trilha de cerca de 500m e subir a serrinha para do alto acessar a última proteção da via. Há a opção de rapelar ou de descer mais pela direita de quem olha do cume para a estrada e assim acessar a base da via através da vegetação.

Boulder Manicure - V2 em uma área próxima à Vila Moderna em São Luiz - RR

Boulder Manicure – V2 em uma área próxima à Vila Moderna em São Luiz – RR

Boulder Casca de Ovo - V0 Próximo à Vila Moderna

Boulder Casca de Ovo – V0 Próximo à Vila Moderna

Próximo alvo serão as montanhas da Rodovia Estadual 432 em Caracarai…muitas tradicionais nos esperam!

tradicionais

Conquistas de vias de escalada em rocha em Rorainópolis – RR / Abril 2015

Após duas passagens anteriores pela região de Rorainópolis, onde abri alguns boulders e duas vias em móvel, eu consegui ir com dois amigos (Ítalo, e André) no feriado do início do mês de abril para mais uma investida na região.

O fato é que a partir do distrito de Nova Colina na BR 174, as pedras aparecem e você terá diversas opções para uma boa escalada. Em um post anterior neste BLog eu já apresentei vários detalhes referentes ao Sul de Roraima.

O local onde abrimos diversos boulders e algumas vias fica a 5km depois da cidade de Rorainópolis na BR 174 (sentido Boa Vista) bem na entrada de uma vicinal. Essa área recebeu o nome de Parque dos Boulders. Na verdade, os blocos de pedra estão ao lado da rodovia e se espalham por uma boa extensão. A grande características são a grande quantidade de blocos com 6, 7 e 8m de altura que em estilo boulder são considerados High Ball, sendo as maiores na faixa do 15 a 20m de altura.

Boulder Veneno da Manhã - 03 linhas de V0, VO+ e V2. Cerca de 7 a 8 m de altura. Possui uma proteção fixa no alto para quem quiser fazer em top rope.

Boulder Veneno da Manhã – 03 linhas de V0, VO+ e V2. Cerca de 7 a 8 m de altura. Possui uma proteção fixa no alto para quem quiser fazer em top rope.

André e Italo mandando o Boulder Veneno da Manhã.

André e Italo mandando o Boulder Veneno da Manhã.

Eu na primeira repetição da Via Tem que ter Imaginação - VIIa

Eu na primeira repetição da Via Tem que ter Imaginação – VIIa

André no Boulder Arranca Mamilo - V1 - 8m de altura. O Ítalo na segurança psicológica.

André no Boulder Arranca Mamilo – V1 – 8m de altura. O Ítalo na segurança psicológica.

Ítalo solando a via Pratelheiras III+

Ítalo solando a via Pratelheiras III+

Eu na Via Fuleragem VI

Eu na Via Fuleragem VI

Boulder Cagaço de Cair Ladeira Abaixo - V3 - 8m de altura.

Boulder Cagaço de Cair Ladeira Abaixo – V3 – 8m de altura.

Eu no Boulder Passageiro da Agonia ... esse é mais baixo - 5m de altura

Eu no Boulder Passageiro da Agonia … esse é mais baixo – 5m de altura

Boulder com 03 linhas - A que eu estou escalando é a Chuck - V1 - 8m de altura. Logo a direita tem a Laca Assassina - V2 e à esquerda uma terceira linha.

Boulder com 03 linhas – A que eu estou escalando é a Chuck – V1 – 8m de altura. Logo a direita tem a Laca Assassina – V2 e à esquerda uma terceira linha.

André em cima de um dos muitos High Ball da área!

André em cima de um dos muitos High Ball da área!

Salto do Ipy (Presidente Figueiredo – Amazonas) – Escalada esportiva, boulders, trilhas, pintura rupestre e cavernas

O Salto do Ipy está localizado no Km 57 da AM 240, rodovia que liga a BR 174 á Vila de Balbina em Presidente Figueiredo – Amazonas. Na área dessa cachoeira é possível acessar cavernas, pinturas rupestres, piscinas de água natural e muita rocha para a escalada, incluindo nesse contexto a maior área de boulders até agora conhecida na região. A quantidade de boulders é tão grande que ainda não foi possível caminhar em toda a sua extensão. Já começamos a abrir linhas nesses boulders, mas é diversão garantida ainda por muito tempo!!!!

A caminhada até a área da cachoeira é realizada em cerca de 30 a 40 minutos e apresenta pouco desnível, exceção feita quando se deseja ir para a parte baixa do Salto, pois há a necessidade de descer a trilha. Da mesma forma para acessar as bases das vias de escalada, deve-se descer a trilha. Para os boulders, antes da descida da trilha para a cachoeira, deve-se seguir para a esquerda, eles irão começar a aparecer cerca de 100m à frente.

O ponto alto do Ipy é que os atuais caseiros são o Fred e a Juliane, amigos que são guias turísticos, escaladores e agora responsáveis pela área do Ipy. O fato de ter uma casa de apoio e a presença deles para ajudar em informações ou em qualquer outra situação é o diferencial com certeza. O Fred tem explorado a região e é a pessoa que nos passa onde estão as paredes, os boulders e as trilhas mais interessantes. Agora ele começou a abrir vias de escalada no local…o que para a galera da escalada é mais um para ajudar no desenvolvimento e na conservação dessas vias. Os arredores da casa possuem grande espaço para camping e para quem pensa em acampar para escalar, o Ipy hoje em dia é disparado o melhor local pela estrutura ali presente. (Tomar um cafezinho antes de ir para a pedra ou um suco de Taperebá que a Juliane prepara na chegada do climb não tem preço!!!)

Salto do Ipy

Salto do Ipy

casa de apoio no Salto do Ipy...espaço enorme para camping

casa de apoio no Salto do Ipy…espaço enorme para camping

Em 2014 eu já havia iniciado uma via de escalada, até postei isso no Blog, mas somente tivemos a oportunidade de finalizar essa linha agora em janeiro de 2015. O legal que além dessa temos mais duas, totalizando 03, sendo que outras duas já foram começadas.

A linha finalizada recebeu o nome de Berimbau e ainda não foi possível determinar a graduação de dificuldade, pois não foi encadenada. O que podemos afirmar é que até a base do negativo deve estar na casa do VIIa/b. Com os lances negativos vai ficar em patamares mais elevados de dificuldade…agora é treinar para ligar os movimentos.

via Berimbau  - Salto do Ipy

via Berimbau – Salto do Ipy

eu colocando as proteções fixas no negativo da via Berimbau - Salto do Ipy

eu colocando as proteções fixas no negativo da via Berimbau – Salto do Ipy

traçado da via Berimbau - Salto do Ipy - Amazonas

traçado da via Berimbau – Salto do Ipy – Amazonas

Outra via de escalada que eu e o Fred abrimos foi a Macaco Aranha, um V ou V+ na parede ao lado e à esquerda de quem olha para a rocha onde está a via Berimbau.

Atualmente, o Fred está abrindo uma via que já tem nome. É a via Pica Pau que já conta com 04 chapas…

Outro ponto alto do lugar é a enorme quantidade de boulders, a maior de Presidente Figueiredo até agora…

eu fazendo o test drive da via

eu fazendo o test drive da via Macaco Aranha

Olha aí o porque do nome da via…estávamos lá colocando as proteções quando de repente olhamos para trás e nos deparamos com uma família de macacos aranha nos olhando…

nosso amigo acompanhando a conquista da via

nosso amigo acompanhando a conquista da via

A seguir seguem o traçado das duas linhas dessa parede, onde dá para observar o Fred fazendo o Test Drive…

vias Macaco Aranha V+ e Inimigo Oculto VI+/VIIa

vias Macaco Aranha V+ e Inimigo Oculto VI+/VIIa – Fred em ação!!!

um dos boulders na área do Salto do Ipy - este fica no início da trilha

um dos boulders na área do Salto do Ipy – O Fred nos dando os “betas” do boulder

Italo na via Pica Pau e Fred na Seg. Do lado direito a Ellen na via Berimbau

Italo na via Pica Pau e Fred na Seg. Do lado direito a Ellen na via Berimbau

André no boulder PG

André no boulder PG

Italo no boulder PG

Italo no boulder PG

André, Breno e Ellen na base das vias

André, Breno e Ellen na base das vias

Eu no boulder Só Falta VC - V2

Eu no boulder Só Falta VC – V2

República Dominicana

Em julho de 2014 eu viajei para a República Dominicana para alguns dias de férias. Estava dentro dos planos realizar umas escaladinhas por lá, mostrando os diversos locais onde vc pode à beira mar desfrutar de boas escaladas. Como eu ainda não tinha feito o post dessa viagem aí vai…
A RD está localizada na ilha de Hispaniola a Leste, sendo a parte ocidental ocupada pelo Haiti. A República Dominicana é o segundo maior país do Caribe (atrás de Cuba), com 48 445 quilômetros quadrados e uma população estimada em 10 milhões de pessoas, dos quais um milhão vive na capital, Santo Domingo.
As praias são um show à parte, pois possuem as características de serem calmas, com mar de águas transparentes e belos cenários, tornando-as procuradas por pessoas do mundo todo.

República Dominicana

República Dominicana

Entre os locais mais conhecidos estão a Praia de Fronton, Galeras, Casa Marina e Setor Jerry no Norte do País. As localidades que abrangem esses points (e que podem ser vistas no mapa) são Sabana de la Mar, Las Galeras, e Santa Bárbara de Samaná.

Playa Fronton - Boca Del Diablo

Praia Fronton – Boca Del Diablo

Praia Fronton - Samaná (fonte: rockclimb.com)

Praia Fronton – Samaná (fonte: rockclimb.com)

No Sul os points são o Parque Mirador Del Sur em Santo Domingo (área de boulders), Canon de la Presa Aquacate, Conde de Mana e Cuevas de Santa Ana. Para fechar no Leste há a área de Padre Nuestro (na cidade de La Romana) e a Praia de Macao (ao lado da cidade de Higuey), sendo estas últimas próximas das famosas praias de Punta Cana.

Nos sites abaixo você pode encontrar mais informações sobre escalada na República Dominicana
http://www.armclimbing.com/179924/index.html
http://climbingdominicano.blogspot.com.br/
http://www.rockclimbing.com/routes/North_America/Dominican_Republic/

muitos psicos...

muitos psicos…

Eu tentando um dos boulders na Praia de Macao

Eu tentando um dos boulders na Praia de Macao

eu brincando em um dos diversos psicoblocs na Praia de Macao - República Dominicana

eu brincando em um dos diversos psicoblocs na Praia de Macao – República Dominicana

Rep Dominicana - escaladinhas à beira mar...

Rep Dominicana – escaladinhas à beira mar…

Relembrando….fotos de boas escaladas e trilhas especiais!

Uma das montanhas mais legais de visitar. Pouco movimento e visuais muito bonitos...além de ter umas escaladinhas legais!

Morro do Canal – PR. Uma das montanhas mais legais de visitar. Pouco movimento e visuais muito bonitos…além de ter umas escaladinhas legais! A foto é de 1994!

A via Lagartão é cotada em 6 VIIc E2...uma bela linha com lances em móvel, escalada técnica e esse lance maravilhoso no crux...

A via Lagartão no Pão de Açúcar – RJ é cotada em 6 VIIc E2…uma bela linha com lances em móvel, escalada técnica e esse lance maravilhoso no crux…Foto de 2006

Uma das maiores vias que já escalei. Cotada em 6 VIIb E2 ela tem 950m de comprimento.

Via O Céu é o Limite no Morro dos Cabritos (Vale dos Frades – RJ). Uma das maiores vias que já escalei. Cotada em 6 VIIb E2 ela tem 950m de comprimento. Foto de 2005

belas trilhas...grandes amigos...

belas trilhas…grandes amigos… (Marumbi – PR, Pico do Ciririca e trilha do trem entre Curitiba e Paranaguá – PR Fotos de 1995

trilha e cume do Pico Paraná...maior elevação do Sul do Brasil

trilha e cume do Pico Paraná no ano de 1995…maior elevação do Sul do Brasil

se não me engano é a via Roberta Groba 5 V+ E3 450m no Cpacete em 2004

se não me engano é a via Roberta Groba 5 V+ E3 450m no Capacete em 2004

Via 92 graus...época em que eu frequentava direto esse point

Via 92 graus na Pedreira do Atuba em Curitiba – PR em 1993…época em que eu frequentava direto esse point

uma das vias mais legais do PDA, cotada em 6 VIIa A1/VIIc E2 na Face Norte. Essa repetição foi em 2005

Waldo, uma das vias mais legais do PDA, cotada em 6 VIIa A1/VIIc E2 na Face Norte. Essa repetição foi em 2005

a foto da esquerda é em Paraúna - GO onde abri vias junto com o Cleibio (foto) . A da direita é a escalada da via Diamante Negro em Unaí - MG - fotos de 2003

a foto da esquerda é em Paraúna – GO onde abri vias junto com o Cleibio (foto) . A da direita é a escalada da via Diamante Negro em Unaí – MG – fotos de 2003

Outra bonita linha no PDA, cotada em 6 VIIa E2

Outra bonita linha no PDA. A Pássaros de Fogo é cotada em 6 VIIa E2 . A foto é de 2005

Foto de 1997 após uma escaladinha nas Agulhas Negras

Foto de 1997 após uma escaladinha nas Agulhas Negras – PNI – RJ

Linda via, cotada em  6o VIIa E3 280m no Pico Maior.

via Segredo do Sol, cotada em 6o VIIa E3 280m no Pico Maior em Salinas – RJ. Foto de 2006

Serra do Tepequém – Roraima

E lá fui eu conhecer mais um lugar mágico, onde parece que o tempo passa mais devagar. A região do Tepequém está localizada no Norte de Roraima e faz parte do município do Amajari, distante cerca de 210 km de Boa Vista.
É um local privilegiado para cachoeiras, trilhas, camping, para mudar a rotina e para a escalada em rocha também. É importante destacar que há enorme potencial para vias de todos os estilos no Tepequém….de Boulder a tradicionais com muitas possibilidades de vias em móvel!
No período que passei na área pude abrir 17 vias, mais de uma dúzia de boulders, além de percorrer belas trilhas e conhecer 07 cachoeiras diferentes. Provavelmente foram as primeiras vias de escalada em rocha abertas naquela região, pois não observei nenhum vestígio ou relato sobre escalada em rocha na área, inclusive quando conversei com os moradores locais.

Tepequem - Localização

Tepequem – Localização

A seguir um resumo dos “points” para servir de referencia para escaladores, praticantes de caminhada e para quem aprecia uma boa cachoeira!

Escaladas
Cachoeira do Paiva, Laje Preta e Laje Verde (7 vias)
– Via Vozes do Além (chaminé e lance em agarras para cima da cachoeira do Paiva – a direita de quem olha a cachoeira) III+ E2 em móvel – cams 2 e 3 e fita em boco de pedra
– Via Abduzido no Tepequém (fenda localizada em bloco ao lado cachoeira do Paiva) – VI E2 (cams .4, .75, 1 e 2)
– Via Abduzido no Plato (fenda) VIIa/b (cams .4, .75, 1 e 2)
– Via Bode’s Blues Company VIIa E2 – em móvel cams .3, .,4, .75 e 1
– Via Só os Bigs III E2 (proteções fixas) – foto
– Fenda Zen II+ (cams 2 e 3) – fenda em diagonal para a esquerda ao lado da cachoeira do Paiva
– Fenda Aliens o Resgate – VI E1 – fenda entre no caminho entre as cachoeiras da Laje Preta e da Laje Verde – cams 1, 2 e tri cams nr 2 e 3
Nas imediações da Cachoeira do Paiva, da Laje Preta e da Laje Verde há muitas paredes para vias tradicionais de até 150m de comprimento
Boulders na área da Cachoeira do Paiva
– Aresta V3
– Disco Voador V2 – lance em negativo
– Plato V0 – próximo às vias de escalada
– Visual V0 – na descida para a cachoeira da Laje
– Micuim V1 – foto do Boulder ao lado do bloco
– Campo de boulders e muita parede para futuras conquistas – entre a cachoeira da Laje Preta e da Laje Verde

Região da Cachoeira do Paiva

Região da Cachoeira do Paiva

Escaladas na região da Cachoeira do Paiva

Escaladas na região da Cachoeira do Paiva

Vias - Abduzidos - Paiva

Vias – Abduzidos – Paiva

Via Vozes do Além

Via Vozes do Além

um dos diversos boulders no Paiva - Aresta - V3

um dos diversos boulders no Paiva – Aresta – V3

Via Bode's Blues Company - Cachoeira do Paiva

Via Bode’s Blues Company – Cachoeira do Paiva

Cachoeira da Barata (01 via)
– Via Néia a Etezinha III E2/3 em móvel cam.4, .1 equalizado com tri cam nr 1 e cam 2
– psicobloc – Baratinha Alienígena – V1/2 (poço acima da maior cachoeira)
– cidade dos boulders – diversos e com alguns psicoblocs – seguir descendo o rio após a cachoeira maior por cerca de uns 400m

Psicobloc - Cachoeira da Barata

Psicobloc – Cachoeira da Barata

via Néia a Etezinha

via Néia a Etezinha

Paulinha escalando a via na Cachoeira da Barata - Tepequém - RR

Paulinha escalando a via na Cachoeira da Barata – Tepequém – RR

Região do Plato
No alto (na trilha de chegada – vários boulders e pequenos blocos….no platô propriamente dito muita parede…muitas fendas…

Paulinha em um dos mirantes do Platô do Tepequem

nosso guia pna trilha para o Platô - ao fundo a Vila do Tepequém

nosso guia pna trilha para o Platô – ao fundo a Vila do Tepequém

Muitas paredes para vias de escalada em rocha no Platô do Tepequém - RR

Muitas paredes para vias de escalada em rocha no Platô do Tepequém – RR

Cachoeira do Funil (02 vias)
Via OVNI – V E2 50m (lado esquerdo de quem olha do alto para a parte baixa da cachoeira) cams 2 e 3 e tricams do nr 1 ao 3
Via ET – III E3 35 m – do cam .3 ao 2 e tri cams (lado direito)
Na parte baixa da cachoeira há diversos boulders. Na trilha de aproximação também há uma quantidade muito grande de blocos.

eu e minha família na trilha para a Cachoeira do Funil - ao fundo campo de boulders

eu e minha família na trilha para a Cachoeira do Funil – ao fundo campo de boulders

via na Cachoeira do Funil

via na Cachoeira do Funil

Via Ovni - Cachoeira do Funil

Via Ovni – Cachoeira do Funil

eu na  via Ovni na Cachoeira do Funil

eu na via Ovni na Cachoeira do Funil

Morro da Antena de TV (07 vias) – ao lado da vila – fácil acesso
– Via Contatos Imediatos – VIIa E1 (móvel) cam .4, .5, .75, 1 e 2 – proteção fixa no final
– Via UFO – VIIIa/b (lado esquerdo da via Contatos Imediatos)
– Via Pirâmide de Marte – VIIc
Vias do blocão (bloco na parte baixa do morro)
– Pium Alienígena – V+ E1 em agarras – pedrinhas que parecem estar coladas no bloco (proteções fixas)
– Aresta do Marciano – VIIb/c – proteções fixas –
– via Lunático – IV – lado oposto das vias anteriores (top rope)
– Big Bloco – II (top rope) (lado mais positivo)
Boulders do Morro da Antena
Laca – V0
Aresta da Pirâmide – V2/3
Totalmente Zen – V0 (antes da pirâmide)
Oitavo Passageiro – V1/2 – lado direito das vias (Contatos Imediatos e UFO)
Olha o ET lá embaixo – VO e V1

vias e boulders Morro da Antena de TV na Vila do Tepequém

vias e boulders Morro da Antena de TV na Vila do Tepequém

Blocão

Blocão

Via Pirâmide de Marte - Vila de Tepequém ao fundo

Via Pirâmide de Marte – Vila de Tepequém ao fundo

Fenda Contatos Imediatos - VIIa em móvel - Morro da Antena de TV - Tepequém - RR

Fenda Contatos Imediatos – VIIa em móvel – Morro da Antena de TV – Tepequém – RR

boulder da Laca

boulder da Laca

Trilhas
– Cachoeira do Paiva
– Mirante da Cachoeira da Laje Verde – verificar potencial de vias tradicionais – paredes com cerca de 150m
– Platô (trilha do avião, antena e mirantes)
– Cachoeira da Laje Preta
– Cachoeira da Laje Verde
– Cachoeira da Barata – cachoeiras e corredeiras abaixo da Cachoeira do Barata
– Morro da Antena
– Cachoeira do Funil, Tilim do Funil, Tilim do Gringo – Igarapé Sobral até a Cachoeira do Sobral.
– Cachoeira do Sobral pela Vila Cabo Sobral

Trilha para a Cachoeira da Laje Preta - Tepequém - RR

Trilha para a Cachoeira da Laje Preta – Tepequém – RR

minha família na trilha para a Cachoeira do Sobral

minha família na trilha para a Cachoeira do Sobral

Cachoeira do Funil

Cachoeira do Funil

Alguns locais de escalada em rocha nos Estados do Amazonas e de Roraima

mapa de locais para escalada em rocha AM e RR

mapa de locais para escalada em rocha AM e RR

Descrição dos locais

Descrição dos locais

mapa escaladas

Lista de algumas vias de escalada nos Estados do Amazonas e de Roraima

Veja em: https://docs.google.com/document/d/12s_FMo26zlVfVosl-KofbmVZisQs9Oo93xwb6rd0X1M/edit

Escalada em Manaus, em áreas adjacentes e escalada em rocha na Amazônia

Há tempos atrás eu lia comentários na web de escaladores que passavam por Manaus – AM e estavam desolados pelo fato de não haver locais para “matar a fome”, ou seja, escalar!

Realmente, no início de minha permanência aqui eu também imaginei o mesmo! Então a solução foi explorar os possíveis locais onde haveria condições para praticar escalada em rocha.
Inicialmente o destino foi Presidente Figueiredo, pois a quantidade de cachoeiras e de rocha que eu encontrei na internet foi grande. O resultado foi ótimo, pois aquela região tem enorme potencial turístico com cavernas, cachoeiras e muita pedra!

As paredes possuem linhas negativas de qualidade, inclusive com psicoblocs. Mais abaixo no texto iremos detalhar as áreas em PF (Está a cerca de 107 km de Manaus pela BR 174).

Recentemente, achamos boulders nas margens do Rio Negro na localidade de Paricatuba, município de Iranduba – AM (está a cerca de 35 km de Manaus com entrada no km 21 da rodovia AM 070.) Escalar no final de tarde  é prazeroso, já que os boulders estarão todos na sombra, tendo essa localidade alguns bares à beira do rio que proporcionam um por de sol nota 10!

Há poucos dias tivemos outro “achado” com uma área de blocos, sendo a textura da pedra totalmente diferente do que já havíamos encontrado. Essa área fica a cerca de um km após a praia de Açutuba com acesso pelo km 28 da rodovia AM 070), também município de Iranduba. O ponto alto desse “point” é que há sombra durante o dia inteiro, possibilitando escalar a qualquer hora.

Uma boa descoberta  foi a linha de arenito da Ponta Negra ao lado do Hotel Tropical dentro da cidade de Manus. São aproximadamente 1,5km de rocha com muitas caverninhas e blocos negativos. O fato de se estar dentro da cidade e ser de fácil acesso é um ótima oportunidade para manter o condicionamento.

Em Manaus há a possibilidade de escalar indoor na casa de escaladores, na Companhia Athletica e na Ponte do rio Negro. Em Manaus também existe a cachoeira Alta do Tarumã (20 m) onde já escalamos uma linha e um boulder, mas as condições de segurança não são as melhores.

Ainda sobre os boulders da Ponta Negra, há dois acessos. Um é pelo Hotel Tropical através do estacionamento. Carros e motos pagam uma pequena taxa. De bicicleta ou à pé é de graça. O outro acesso é pela Marina do David. Nessa região a quantidade de boulders é boa!

via no Paredão do Barreto

Lola no início do negativo na via Passadinha – Paredão do Barreto

Em Presidente Figueiredo, o KM 113 da BR 174 é uma ótima área. Do lado direito de quem vai no sentido de Boa Vista – RR, há mais de 15 boulders já catalogados e um pequeno cânion com cerca de 12m de altura com uns 60m de largura. O cânion, conhecido como Paredão das Lajes, é um local de referência para psicoblocs.

Mapa das escaladas próximo à Manaus

Mapa das escaladas próximo à Manaus

Já do lado esquerdo do km 113 o potencial de boulders e de paredes para vias esportivas é grande. A área fica com sombra o dia todo e além das escaladas há corredeiras para um bom mergulho. Há um outro post nesse Blog sobre essa área! Temos aberto frequentemente novas linhas de vias esportivas e de boulders nesse local.

No km 115 da BR 174 localiza-se a Cachoeira da Iracema. Nas imediações dessa cachoeira existem cavernas, muitos boulders e paredes com potencial para vias esportivas.

Na frente da entrada para a cachoeira da Iracema, especificamente do outro lado da Rodovia BR 174 estamos desenvolvendo outra grande área com boulders. Já abrimos cerca de 20 linhas diferentes e o acesso é muito simples. Da entrada da cachoeira da Iracema é só seguir por mais uns 200m e pegar a direita. Da rodovia é possível avistar muitos dos boulders.

Km 115 da BR 174 Manaus - Presidente Figueiredo

Fred no boulder “E aí Blz” V2 – Km 115 da BR 174 Manaus – Presidente Figueiredo

No km 150 da rodovia BR 174 (lado direito no sentido a Boa Vista) existe uma parede ao lado da rodovia com bons lances.

Na rodovia que liga a sede do Município de Presidente Figueiredo e a Usina de Balbina (AM 240), no Km 12, está a entrada para a Cachoeira da Porteira. Essa área é outro ótimo local para psicoblocs, possuindo também muitos boulders!

Veja uma filmagem de um dos psicoblocs dessa áres: https://www.youtube.com/watch?v=1dq49m-2AIA

Logo a frente, no km 13 da rodovia AM 240 está a Cachoeira do Santuário, que possui boas paredes e boulders para a escalada em rocha!

No Km 53, especificamente no Salto do Ipy, estamos abrindo vias na parede próxima ao salto. Essa parede é até agora a mais alta que encontramos na região com altura de até 60m. Potencial enorme de vias de alta qualidade, pois há negativos e tetos para todos os lados.
O acesso é por trilha que leva ao Salto do Ipy. Estando no salto, procurar trilha cerca de 20m abaixo do salto e que vai para a direita. A parede está cerca de uns 100m abaixo.

eu conquistando uma via  no Salto do Ipy - Amazonas - AM

eu conquistando uma via no Salto do Ipy – Amazonas – AM

No km 63 da AM 240 (do lado direito no sentido de quem vai para Balbina)- Fazenda Floresta – está o início da trilha que depois de cerca de 400m chega na parte de cima do Paredão do Barreto. Este paredão já conta com cerca de 08 vias e mais alguns projetos. Possui grande potencial para vias esportivas. A parede é quase totalmente negativa, celeiro de vias de alto grau de dificuldade.

PH na via Passadinha da Maihyra - Paredão do Barreto - Amazonas

PH na via Passadinha da Maihyra – Paredão do Barreto – Amazonas

Novo Airão está a 180 km de Manaus através da rodovia AM 070. Na cidade um dos passeios clássicos é  visitar o Arquipélago de Anavilhanas. Nessa área há grutas como a do Madadá que possibilita boas escaladas e a Pedra do Sanduíche que na cheia do rio Negro vira um psicobloc e na sua vazante um bloco interessante.

O  rio Carabinani, dentro do Parque Nacional do Jaú (acesso através de Novo Airão) é outra fonte de ótimos psicoblocs.

Outras áreas que ainda não foram visitadas, mas que possuem boas possibilidades de escaladas são: Gruta do Batismo e a região do Chapéu Virado no lago de Balbina.

Barcelos fica um pouco mais longe, mas é uma área com muita parede e das grandes. A serra do Aracá é um nascedouro de cachoeiras com mais de 200m de altura E com paredes instigantes nas imediações dessas cachoeiras.

Abaixo, mais algumas fotos !!!

Arestinha - V1

Os boulders acima são todos na Ponta Negra em Manaus

mapa das escaladas na região de Manaus

psicoblocs Novo Airão

psicoblocs no Rio Carabinani

área da Cachoeira da Iracema - Presidente Figueiredo

área da Cachoeira da Iracema – Presidente Figueiredo

paredão da Laje - essa área é ótima para psicoblocs

via do psico VI E1

Italo guiando e André na seg – via do psico VI E1

Acima, o psicobloc do km 113 – Paredão da Laje

Cachoeira do El Dorado - 365m

Cachoeira do El Dorado – 365m – a maior cachoeira do Brasil…a parede rochosa é muito convidativa…

boas agarras

área de boulders do Km 113 – Presidente Figueiredo

boulder Caverna do Morcego V5-V6 km 113 - Presidente Figueiredo - AM

boulder Caverna do Morcego V5-V6 km 113 – Presidente Figueiredo – AM

boulder Escondido - V4/5 - Km 113 -Presidente Figueiredo AM

boulder Escondido – V4/5 – Km 113 -Presidente Figueiredo AM

boulders - praia de Açutuba

Acima boulder na área da praia de Açutuba

Paredão do Barreto

Acima outra via no Paredão do Barreto

pedra do sanduiche - anavilhanas - Novo Airão

Pedra do Sanduiche – Anavilhanas – Novo Airão

Pedra do Sanduíche

Silvia Fabbi na Pedra do Sanduíche – AM

psicobloc - Novo Airão (rio Negro)

Marco Volpato em um psicobloc no rio Negro – Novo Airão – AM

um dos principais points de escalada em rocha de Presidente Figueiredo - boas vias esportivas

a bela cachoeira do Paredão do Barreto um dos principais points de escalada em rocha de Presidente Figueiredo – boas vias esportivas

eu e Pedro Henrique no alto da parede do Km 113 - Presidente Figueiredo

eu e Pedro Henrique no alto da parede do Km 113 – Presidente Figueiredo

eu e Pedro analisando possíveis linhas para serem escaladas

eu e Pedro analisando possíveis linhas para serem escaladas

Psicobloc no banho da Porteira - Km 12 para Balbina

Psicobloc no banho da Porteira – Km 12 para Balbina

via Costa Lisa VIIb

Caio Soares escalando e PH na segurança no plato da via Costa Lisa VIIb

Escalada urbana (buildering) e escalada com agarras artificiais – Manaus

O ideal para todo praticante de escalada é estar bem tecnicamente, fisicamente e psicologicamente. Esses 03 atributos deixarão você em condições de enfrentar qualquer desafio.
Assim, para ampliar as condições supramencionadas, é muito recomendável treinamentos constantes, mesclando técnicas e valências físicas. Para atender uma condição dessas e para quem não mora ao lado da rocha, o jeito é realizar a “ malhação” em muros com agarras artificiais (indoor e outdoor) ou até em áreas outdoor como é o caso da escalada urbana (buildering).
A finalidade desse post é apresentar algumas opções desse estilo em Manaus, particularmente para a galera “ fominha” que não perde uma oportunidade de escalar…seja onde for! O legal é que aos poucos o número de muros indoor está crescendo na cidade, pois alguns escaladores estão montando muros em casa. Atualmente já existem cerca de 04 muros caseiros que conhecemos.

A seguir algumas fotos com as opções na capital amazonense:

Paulinha " tocando pra cima" no muro da Cia Athletica em Manaus

Paulinha ” tocando pra cima” no muro da Cia Athletica em Manaus

via da aresta - Ponte Rio Negro

via da aresta – Ponte Rio Negro

Ellen guiando e Breno na segurança

Ellen guiando e Breno na segurança

via do tetão

via do tetão

PH na via do tetinho

PH na via do tetinho

bairro Colônia Oliveira Machado

bairro Colônia Oliveira Machado

ponte rio Negro (1)

Top Rope na ponte rio Negro – essa área possibilita a escalada em móvel!

muro Cia Athletica

muro Cia Athletica

Ponte em frente ao PAC Educandos

Ponte em frente ao PAC Educandos

Igarapé Mestre Chico - ponte em frente ao PAC Educandos

Igarapé Mestre Chico – ponte em frente ao PAC Educandos

Ana Letícia (Lele) dando os primeiros passos na escalada...

Ana Letícia (Lele) dando os primeiros passos na escalada…

Há ainda outros lugares para a escalada urbana em Manaus como a passagem de nível da Avenida Constantino Nery e que dá acesso ao Shopping Millennium, o viaduto ao lado do Studio 5 e a ponte da Avenida 7 de Setembro em frente ao PAC do Educandos.

Também não podemos esquecer que a região da Ponta Negra em Manaus possui uma linha de rochas de arenito que possibilita a escalada no estilo boulder. As fotos desses lugares estão em um post anterior e que fala sobre pontos de escalada em Manaus e região.

O fato é que seja no muro indoor ou em áreas outdoor, você tem a opção de treinar e melhorar a força, a técnica e ficar mais resistente mesmo em Manaus, onde não há montanhas ao lado de sua casa.

Roraima – um grande potencial para a escalada em rocha e para trilhas em montanhas.

Pense no Norte brasileiro…o que vem imediatamente à mente é rios extensos, grandes áreas de selva e grandes distâncias. Quando o assunto é montanhas, há a lembrança do Pico da Neblina, o 31 de Março e o Monte Roraima. Todos na região fronteiriça com outros países.
No entanto, uma pesquisa mais detalhada irá mostrar que a região de Barcelos, São Gabriel da Cachoeira e Presidente Figueiredo no Estado do Amazonas e o Estado de Roraima como um todo são locais altamente interessantes para a escalada em rocha e para o montanhismo. Já postei algumas dicas sobre Presidente Figueiredo e outras áreas ao redor de Manaus, pois tenho andado com frequência nessas áreas, mas a intenção agora é começar a despertar a sua curiosidade por Roraima.
Inicialmente, vou citar a região Centro Sul, pois praticamente em todas as regiões de Roraima há enorme potencial para vias de escalada, trilhas e muitas montanhas.
Recentemente fiz uma viagem exploratória para cinco municípios do Sul – Centro Sul de Roraima. Levantei informações sobre Caroebe, São João da Baliza, São Luiz, Rorainópolis e Caracaraí. A idéia da viagem foi confirmar dados obtidos previamente, particularmente ver os acessos, tamanho das paredes, locais com possibilidade de abertura de vias e boulders.
O resultado foi surpreendente, pois em toda essa área há afloramento rochoso!

São João da Baliza - RR ... olha a pontinha de uma serra ao fundo e a esquerda

São João da Baliza – RR … olha a pontinha de uma serra ao fundo e a esquerda

São Luiz do Anauá - olha os boulders no meio da cidade...

São Luiz do Anauá – olha os boulders no meio da cidade…

Serra na BR 432 em Caracarai

Serra na BR 432 em Caracarai

Para facilitar os deslocamentos eu fui de moto e percorri cerca de 2200km em 04 dias, conseguindo abrir duas pequenas vias em Rorainópolis e boulders em São Luiz do Anauá, Vila Moderna e Rorainópolis. No entanto, a parte mais interessante foi encontrar boas paredes em montanhas em Caroebe, São João da Baliza, São Luiz e principalmente na BR 432 no município de Caracaraí.

Inicialmente me dirigi a região de São João da Baliza e Caroebe. Na viagem eu decidi pegar a Vicinal 26 em Vila Nova Colina para conhecer o potencial de escalada próximo a essa estrada e para diminuir o caminho ao meu primeiro objetivo. Por esse itinerário são 510 Km a partir de Manaus com paisagens muito bonitas.

Área percorrida

Área percorrida

A BR 210 que passa por Caroebe, São João da Baliza e São Luiz do Anauá é a referência para se acessar as paredes rochosas e os boulders. Ao lado dessa BR você pode encontrar muita coisa e há ainda boas áreas nas estradas próximas a essas cidades.

Com relação a local para o pernoite, as opções são diversas. Eu optei pelas pousadas que apresentam preços bem em conta e oferecem cafá da manhã. Não há camping específico, mas há condições para acampamento nos arredores das cidades. Um almoço sai na faixa de R$ 12,00 na região de São Luiz.

ótimo boulder ao lado da BR 210 entre São Luiz do Anauá e Vila Moderna

ótimo boulder ao lado da BR 210 entre São Luiz do Anauá e Vila Moderna

Parede ao lado da cidade de São João da Baliza

Parede ao lado da cidade de São João da Baliza

Parede próxima a São Luiz do Anauá

Parede próxima a São Luiz do Anauá

Boulder ao lado da BR 210 com a cidade de São Luiz logo a frente

Boulder ao lado da BR 210 com a cidade de São Luiz logo a frente

boulder ao lado da BR 210 em São Luiz

boulder ao lado da BR 210 em São Luiz

grandes blocos ao lado da BR 210 próximo a São Luiz do Anauá

grandes blocos ao lado da BR 210 próximo a São Luiz do Anauá

Outra área que percorri foi a BR 432 no município de Caracaraí. Esse foi um dos pontos alto da viagem, pois há serras com bonitas montanhas e muita parede para ser conquistada. A primeira delas está a cerca de 25 km de Vila Nova Paraíso (também conhecida como km 500). Uma das maiores paredes que eu encontrei na viagem está localizada nessa serra.

Continuando na BR 432 a mais ou menos 51 km de Vila Nova Paraíso aparece outra serra, esta com um grande número de paredes escaláveis. Há vicinais (estradas menores que começam na BR 432) com cerca de 10 km de extensão e que levam quase á base dessas montanhas.

BR 432 a cerca de 51 km ao Norte de Vila Nova Paraíso - RR

BR 432 a cerca de 51 km ao Norte de Vila Nova Paraíso – RR

Essa aí tem muita parede para ser conquistada

Essa aí tem muita parede para ser conquistada

BR 432 com a primeira serra à frente - Caracaraí - RR

BR 432 com a primeira serra à frente – Caracaraí – RR

a primeira serra ao fundo - BR 432

a primeira serra ao fundo – BR 432

BR 432 - Roraima

BR 432 – Roraima

A ultima área visitada foi a cidade de Rorainópolis que se localiza ao lado da BR 174. Nas imediações da cidade você vai encontrar muita pedra, blocos com até 20m de altura que vão proporcionar boas vias. Com relação a boulders é uma quantidade enorme…realmente muita coisa e ao lado da BR.

tem grandes blocos de pedra para todos os lados - Rorainópolis - RR

tem grandes blocos de pedra para todos os lados – Rorainópolis – RR

um dos boulders que abri - olha a BR 174 logo ali atrás...Rorainópolis - RR

um dos boulders que abri – olha a BR 174 logo ali atrás…Rorainópolis – RR

parque de diversões - Rorainópolis - RR

parque de diversões – Rorainópolis – RR

Como resultado dessa viagem eu consegui coletar dados importantes sobre distâncias, duração dos deslocamentos, informações sobre as cidades, acesso à base das principais paredes que encontrei, abri duas pequenas vias: Pratelheiras II – 15m e Entre Pedras V 10m e abri 10 boulders. A certeza que ficou é que viajar por essa região vale muito…pelas paisagens e pelas possibilidades de boas escaladas.

Conquistas de vias no Salto do Ipy – Pres Figueiredo – Amazonas – AM

A entrada para o Salto do Ipy (Km 57 da Rodovia AM 240) reservou uma surpresa muito grande. Recentemente recebi um convite do Fred e do Daniel, ambos guias de uma agência de turismo em Presidente Figueiredo, para conhecer essa região.
Depois de ver uma foto que eles postaram da parede eu não tive dúvidas…lá vai ser um dos principais points de escalada próximo a Manaus.

Parede na área do Salto do Ipy

Parede na área do Salto do Ipy

Escalada em Rocha no Salto do Ipy - Amazonas - AM

Escalada em Rocha no Salto do Ipy – Amazonas – AM

Até agora estamos trabalhando a linha da foto acima. Os negativos existentes estão proporcionando lances difíceis, tornando a linha de alta qualidade.

Nessa região há algumas fendas e muita parede ainda a ser explorada. Na área do Salto, além da bela cachoeira, há ainda cavernas, boulders, pinturas rupestres, piscinas para um bom mergulho, trilhas, pontos interessantes para highline e muito visual.

Salto do Ipy - a parede está cerca de 100m abaixo

Salto do Ipy – a parede está cerca de 100m abaixo

França Parte III

Continuando as dicas de locais na França, a parte final da viagem que fiz recentemente foi em Chamonix e na região de Fontainebleu.
Ambas dispensam maiores comentários, pois a região de Chamonix é histórica para o Alpinismo e Fontainebleu é referência em boulder.

Chamonix

Chamonix

Os Alpes são locais de prática de diversos esportes e a quantidade de pessoas que circulam pelas trilhas, paredes rochosas e pelos glaciares é grande.
Uma das primeiras atividades que pude presenciar na cidade foi uma etapa do europeu de escalada que ocorreu em uma praça no centro de Chamonix.

Etapa de Chamonix

Etapa de Chamonix

A região possui muitos livros e mapas para orientar os inúmeros aventureiros.
As escaladas tem desde blocos e boulders a longas travessias em glaciares, escaladas de mais de um dia e muita coisa em gelo. A diversidade é enorme! As opções são bem próximas uma das outras. Realmente é um paraíso…

eu

eu apreciando o visual na Ag di Midi – Chamonix

Cume da Ag di Midi

Cume da Ag di Midi

Face Sul da Ag di Midi

Face Sul da Ag di Midi

Na internet há muitos sites que detalham aspectos como hospedagens, meios de locomoção e atividades que são possíveis na região de Chamonix. Há opções para todos os bolsos, desde acampamentos há hotéis de luxo.
A principal dica de todas: vá conhecer, pois é uma viagem imperdível pela história do alpinismo.

Na trilha para o Glaciar de Les Bossons

Na trilha para o Glaciar de Les Bossons

Região de Fontainebleu

Região de Fontainebleu

Os seguintes sites podem ajudar no planejamento para algum dos lugares citados nas 03 partes comentadas no blog:

http://climbingaway.fr/fr/topos-guides-escalade
http://www.camptocamp.org/routes/54574/fr/aiguille-du-midi-face-s-voie-rebuffat-baquet
http://www.urbanrock.com/france
http://www.summitpost.org/upper-rebuffat-route/803683/c-156130
http://www.chadurif.fr/topos.html
http://calanques-escalade.chez-alice.fr/topos.htm
http://nicobrasfort.starnux.net/?p=526
http://cmel.over-blog.com/
http://ukbouldering.com/board/index.php?topic=10009.0

França – Parte II

A segunda parte de dicas para quem quiser caminhar ou escalar pela França abrangerá as regiões de Chateauvert, Moustier Ste Marie, Gorges du Verdun, Volx, Buoux e demais pontos famosos.

Como já mencionei anteriormente, o ideal é a locação de um carro para percorrer o interior da França. Isso lhe trará flexibilidade e grande autonomia, colaborando para que maior número de locais sejam acessados com menor tempo.

De Cassis eu segui para Moustier Ste Marie, uma cidadezinha única, com muita história e que se localiza encravada nas rochas que dão início à grande garganta – Gorges du Verdun.

Moustier Ste Marie

Moustier Ste Marie

Antes, porém, conheci Chateauvert, área de caminhada, escalada e de outros esportes outdoor localizada na região de mesmo nome e que tem como cidade próxima Barjols.

Às margens da estreita rodovia que contorna as diversas paredes rochosas, há uma rio de águas claras que possibilita um mergulho refrescante depois de uma escalada.

Chateauvert

Chateauvert

As vias nessa região são de até 40m e a graduação é bem variada, do III ao VIIIc brasileiro. O estilo é esportivo e o início das vias está a cerca de 10 a 20 metros da estrada.

escalada em Chateauvert - França

escalada em Chateauvert – França

Na web há informações sobre as escaladas dessa região. Achei que todas as dicas disponibilizadas foram úteis para o planejamento da viagem, pois estavam bem reais e coerentes.

A região de Moustier e do Gorges du Verdun é um paraíso. Uma gama muito grande de atividades são possíveis e o cenário é singular. Você pode passar 01 ano ali e querer ficar mais…é muita coisa!

Gorges du Verdun

Gorges du Verdun

As opções de hospedagem, refeição e passeios são extensas. De camping a hotéis de luxo, de lanches rápidos a gastronomia de alto nível podem ser obtidos.

Com relação às escaladas, a internet disponibiliza excelentes informações sobre as vias e acessos. O ideal é obter um dos diversos guias ou catálogos de escalada existentes da região. É interessante ressaltar que o Gorges possui desde vias esportivas, muita tradicional e alguns Big Walls. Há vias e paredes com mais de 700m de extensão.

Um “point” nota 10 que conheci foi o Patin du Neant desenvolvido pela Charlotte Durif, grande escaladora francesa, no Gorges du Verdun. Abaixo, eu trabalhando os movimentos da via Menu Mental 8a francês no Setor Patin du Neant.

eu nos "trabalhos" - setor Patin du Neant

eu nos “trabalhos” – setor Patin du Neant

Abaixo a via Le Soleil 7b/b+ no Gorges du Verdun

um 7b+ no setor Patin du Neant

um 7b+ no setor Patin du Neant

Outro local clássico e que não pode deixar de ser visitado é Buoux. É um dos top five da França juntamente com o Gorges. Essa área fica perto da cidade de Apt. Em Buoux você vai encontrar do 4 grau ao 9a frances, ou seja, de tudo.
Abaixo eu em um clássico 7a francês.

Buoux

Buoux

via Pilier des Fourmis  6a

via Pilier des Fourmis 6a

Pude conhecer também as escaladas de Volx, famoso lugar onde há uma filmagem no Master of the Stone III com o escalador Jean Baptiste Tribout escalando a via Super Plataform um 5.14c … eu até quis entrar nela para tomar uns voos, pois uma graduação dessas é tentar sair do chão, mas como eu já estava cansado da via que eu havia entrado…fiquei só olhando!

um 7b (francês) em Volx

um 7b (francês) em Volx

no crux de um 6c+ em Volx

no crux de um 6c+ em Volx

Na próxima parte estarei comentando um pouco sobre outro local imperdível…os Alpes franceses e os locais de escalada no entorno de Chamonix.

Sul da França – Les Calanques – Parte 1

Recentemente fiz uma viagem aos principais “points de escalada na França. Para aproveitar melhor o repasse das informações, eu irei dividir os locais que conheci por posts.
Assim, a primeira parte será sobre o Sul da França, especificamente a região de Marselha, Cassis e La Ciotat, três cidades que abrigam entre outras áreas, as famosas Les Calanques e Cap Canaille.
Antes de abordar todos os locais, gostaria de citar que realizei um planejamento bem detalhado de locais para hospedagem, as rodovias em que eu iria dirigir, os acessos aos pontos de escalada, as vias e suas peculiaridades. Vou aproveitar e mencionar de forma breve esses aspectos também!
Meu ponto de chegada na França foi em Paris, eu poderia ter ido direto para Marselha, mas por incrível que pareça, o preço da passagem para Paris, pegando o TGV (trem de grande velocidade) para o sul era bem mais em conta. Assim, chegamos na capital francesa, ficamos uma noite lá, nos hospedamos no Hotel Kyriad Bercy (tem site na web), e no outro dia de trem seguimos para Marselha. Antecipadamente, eu já havia locado um carro que ficaria comigo e com a minha esposa por quase toda a viagem. Na verdade, de forma antecipada eu já havia reservado todos os hotéis e já tinha agendado as datas e locais onde eu queria escalar.

Em todas as calanques citadas nesse mapa há vias de escalada

Em todas as calanques citadas nesse mapa há vias de escalada


De carro seguimos para o Hotel Laurence em Cassis, cidadezinha muito bonita e bem localizada em relação às escaladas. Ela fica cerca de 30 km de Marselha, mas apresenta um custo benefício bem melhor.
Cassis está ao lado das Calanques e ao lado de diversos outros points como Les Emigres, Le Semaphore e Cap Canaille. As Calanques possuem mais de 2500 vias e cerca de uns 05 Guias de Escaladas para cobrir uma área gigante.
Inicialmente e para me adaptar ao tipo de rocha eu fui conhecer as vias de Port Miou, ao lado da cidade de Cassis. A textura da rocha é muito boa, mas a maioria das vias são no estilo técnico, exigindo uma boa precisão e ótima movimentação de pés. É uma área com vias de até 40m de altura e graduação francesa entre 4 e 7b. Oito costuras e uma corda de 50m são suficientes, pois todas as vias possuem pontos de rapel ou descida por caminhada. O acesso à base das vias é muito simples e em alguns minutos de caminhada a partir de Port Miou você já está escalando.
Muita rocha para escalar - Cassis - França

Muita rocha para escalar – Cassis – França


O objetivo seguinte era uma das Calanques famosas. Pela beleza eu escolhi Les Goudes, pois tenho todos os vídeos do Master of the Stone e o de número 3 foi gravado nos points que eu iria conhecer. E uma das filmagens foi em Les Goudes, na via Le Course des Nouages 8a+ que Ron Kauk mandou ver.
via Le Course des Nouages 8a+ - Les Goudes

via Le Course des Nouages 8a+ – Les Goudes


Lá fomos eu e a Paula, o acesso é por Marselha, mas o GPS foi preciso e chegamos a bela Calanque de Calellongue, ponto inicial de acesso às paredes. A trilha é uma das mais bonitas que já fiz nos meus 31 anos de caminhada. É claro que fui direto para a via citada acima, a Les Course des Nouages. Ela está localizada ao lado de uma caverna onde tem outras vias cascudíssimas. A via é muito bonita, toda negativa e com umas tres sequencias muito forte. Quedas nesses momentos foram frequentes, mas entrar num 8a+ francês e e sendo um clássico vale toda a dificuldade.
Ali aproveitei para conhecer outras vias e desfrutar de um visual ímpar.
A via do Master 3 fica a direita da caverna lá na esquerda da parede central

A via do Master 3 fica a direita da caverna lá na esquerda da parede central


Meu terceiro objetivo foi conhecer a região de Cap Canaille e Les Semaphore, o primeiro com ampla tardição em vias tradicionais e o segundo com vias esportivas muito interessantes. Les Semaphore possui acesso bem simples através da rodovia que liga Cassis a La Ciotat. As vias de Cap Canaille também são acessadas através dessa rodovia, mas a maioria necessita ser rapelada do cume para serem escaladas.
Eu em Cassis com a parede de Cap Canaille ao fundo

Eu em Cassis com a parede de Cap Canaille ao fundo


Na trilha para as vias de Les Goudes - Calellongue ao fundo

Na trilha para as vias de Les Goudes – Calellongue ao fundo


Na região de Cassis há também muitos boulders e uma grande quantidade de psicoblocs, pois a cidade tem uma costa litorânea extensa. Outras Calanques famosas como Morgiou, Sormiou e Devenson abrigam uma diversidade de vias de escaladas. A região está dentro do Parque Natural de Les Calanques, onde acampar é proibido, bem como fogueiras e coleta de plantas. Há na área do parque refúgios de montanha e uma boa rede de hotéis e campings nas cidades próximas.
vias de Port Miou

vias de Port Miou


Les Semaphore - Cassis

Les Semaphore – Cassis


Calanque de En Vau

Calanque de En Vau

Boulder na região de Cap Canaille

Boulder na região de Cap Canaille

Escalada na Aguille du Midi

via na Aguille du Midi

via na Aguille du Midi

escalada na Ag Midi - Chamonix

escalada na Ag Midi – Chamonix

Em breve dicas de escaladas pela França.

Psicobloc da Laje

75

Lances em artificial realizados em livre no Barreto

Variante Quintinho

Paredão do Barreto - Presidente Figueiredo AM

Paredão do Barreto – Presidente Figueiredo AM

Os lances conquistados em artificial no Paredão do Barreto foram realizadas em livre. Eu e Tropico conseguimos realizar a barriguinha da via Costa Lisa em livre sugerindo um VIIb. Da mesma forma a variante Quintinho foi toda escalada em livre e como sugestão de grau um VIIc/VIIIa.

Novas vias no Paredão do Barreto – AM

via PM
Nos últimos finais de semana de dezembro eu Fabio Rohe (Tropico), Caio, Sâmara e Mafalda fomos para a área do Paredão do Barreto para abrirmos novas linhas de escalada. Há alguns posts atrás já citei esse local que apresenta o maior potencial para vias esportivas e para algumas vias em móvel nas proximidades de Manaus – AM.

Até agora o "point" contava com tres vias abertas, sendo uma com graduação de VI E1 que tem o Caíque (dono do muro indoor em Manaus) como um dos conquistadores. Essa via é técnica, a parede é quase vertical, é um bom treino de movimentação de pés e ela está localizada bem ao lado de um dos melhores pontos para acampar do Paredão. Com 05 costuras é possível realizar essa escalada.

Uma outra via mais a esquerda parece que foi aberta em artificial fixo, pois as chapeletas estão muito próximas e não seguem uma sequencia obvia dos movimentos. Já entrei nessa linha e não consegui ligar os movimentos, pois há poucas agarras. Não dá para imaginar a graduação!!!

Mais a esquerda ainda uma outra via que possui algumas agarras cavadas. É importante lembrar que de acordo com o Código de Ética que temos no Brasil, essa prática não é a correta. Essa linha foi aberta faz tempo, mas acho que hoje em dia não haveria mais ações de desconfiguração da rocha!

Desde a primeira vez que fui ao Barreto eu percebi que há muita pedra ainda a ser escalada ali. A largura da parede é de cerca de uns 300m, com muitos negativos e com boa parte em arenito bem consistente!

Assim, iniciamos a nossa fase de abertura de vias naquela parede. A primeira linha escolhida foi uma onde há fendas. O início foi trabalhoso, pois é levemente negativa e as colocações não são óbvias. Para torná-la mais sociável nós fizemos uma variante mais a direita protegida por duas chapeletas e que deve dar um VI. A saída mais a esquerda, protegendo em móvel deve ser um VIIb/c. Nesses lances a proteção foi o cam .3, .4 e um nut grande.

Passada essa sequencia chegamos embaixo de uma fenda muito bonita em um diedro. O lance inicial é o mais exigente e sugerimos um VI em fenda. É Eesse lance dá o nome da via "Costa Lisa" – quem for repeti-la vai entender o motivo. Mais acima a fenda continua, escalamos na técnica do entalamento de braço, pois a fenda é funda! Nesses lances a proteção fica por conta do cam 2 (se tiver mais um repetido melhor) eu usei dois tri cams números 3 e 3.5, mas como já disse dá para substituir por um camalot 2 ou 3.

Posteriormente, fenda diminui de largura e a via segue para a esquerda. Nesses lances usei o cam 1 e logo após uma chapeleta. Nessa região a via deve ser um V. Depois vem uma barriga, sugestão de um VIIb e chegamos no início do platô com lances delicados em blocos de pedra que estão solto. Quem for repetir a via deve ter cuidado nesse trecho!!!

Por enquanto, quem quiser escalar uma via de VIIb E2 com característica mista (proteção fixa e móvel) já é possível lá no Barreto.

A outra via está bem na área do acampamento. Fizemos quatro entradas diferentes com lances entre III e V. Depois seguimos para a esquerda em uma horizontal e por cima de um tetinho. Nesses lances percebemos que há necessidade de cuidado por conta da aresta que está acima do tetinho. Dessa forma, protegemos de maneira que o guia caindo ele não corra risco de ir na aresta. No entanto, o participante (quem está dando segurança) deve ficar atento!

Interessante que vimos parabolts sem chapeletas no negativo logo acima do início da horizontal. Esses parabolts vão na direção do teto e lá no teto há tres chapeletas…imagino ser outra via em artificial fixo!

A idéia era ir até a extremidade esquerda dos lances em horizontal, mas percebemos agarras no negativo que eram boas. Na hora eu e o Tropico decidimos tocar para cima. Colocamos duas proteções fixas inicialmente e no final de semana seguinte livramos mais alguns lances e colocamos mais uma proteção fixa no negativo. Recentemente fechamos a via colocando mais duas proteções, o que a fez chegar no teto. Ficar nos cliffs para abrir os furos na marreta é um pouco trabalhoso … Os lances do negativo estão na casa do VIIb, VIIc e VIIIa/b… Essa é a via Passadinha da Maihyra que estamos sugerindo um VIIIa/b pela entrada original e um VIIIc/IXa pela variante do Quintinho!

Lembro que a graduação acima é somente uma sugestão. A consolidação da mesma se dará com a repetição e a opinião de outros escaladores. É interessante ressaltar também que graduação se dá a vista e guiando e não em top rope.

via Faces do Horror em Petrópolis – RJ

croqui via Faces do Horror Essa via está localizada na montanha Cabeça de Negro, em Petrópolis, também é conhecida como Cabeça de Frade ou Pedra da Tocaia Grande. A via Faces do Horror tem graduação de (5º A2+ E3 D5, 230 m) e possui croqui no Guia de Petrópolis ( autoria do guia – Luciano Bender e Paulo Lúcio Tesch Loureiro).

Luciano Bender e Marcel Leoni realizaram a conquista em 2002 e apesar de curta (só tem 230m), ela é realizada em um dia e meio ou dois dias. São 6 esticões, sendo que quatro deles predominantemente em artificial móvel. Os dois primeiros exigem mais atenção, pois requer boa leitura para o emprego da mais variada gama de equipamentos.

O acesso à base não possui uma trilha definida. Deve-se partir do bairro Alto da Serra no sentido de Piabetá. Na descida da serra, logo no início, há um posto policial onde deve-se pegar a ladeira a direita desse posto e logo depois a esquerda.Tendo como referência o posto, percorrer mais uns 5km e procurar um lugar para deixar o carro. Você estará com a montanha Cabeça de Negro bem a sua frente. Ela é inconfundivel por conta de suas paredes amarelas e em certos trechos alaranjadas. A partir daí procurar atravessar o rio Caiobá Mirim e logo em seguida o Caminho Real que é todo de pedras. Após esse ponto seguir no visual na direção da base! Desse modo varei uma boa quantidade de mato no final do primeiro dia para chegar à base. Como comecei a trilha de acesso já de tarde, dormi em uma “pirambeira” sem saber se estava indo na direção certa. No outro dia de manhã eu subi em uma árvore e dessa maneira pudemos ver uma direção à base!

Chegando na base, que fica próxima a um grotão, começa finalmente a escalada. O 1º esticão conta com passadas de Cliff de agarras, uma fenda negativa e um pequeno teto que é trabalhoso. Nos primeiros 65m da base até P1 está o A2+ da via! O 2º esticão é uma linda fenda em arco para a direita. Quando repeti essa via demoramos um pouco nessa parte, o Flávio Leone estava guiando esse trecho e não encontrou uma proteção fixa após a fenda que constava no guia, havia somente o parafuso. Como tínhamos levado o “kit emergência” (com talhadeiras, parabolts e chapas), o Flávio colocou uma chapa no lance do parafuso, que estava enferrujado, ralação!

Os dois primeiros esticões são os mais demorados. Passados estes lances a via fica mais rápida. O 3º ainda tem lances em artificial móvel, assim como o sexto esticão. A partir do terceiro começam a aparecer os lances em livre com mais frequência. Uma dica importante é deixar o segundo esticão encordado para o rapel, pois os 02 esticões iniciais são bem negativos e se perde contato com a rocha.

Deve-se levar a água desde o início da trilha, pois não há outras fontes durante o acesso à base. Deixamos o carro em uma das propriedades na descida da serra. É interessante deixar avisado a alguns moradores que a montanha será escalada, pois soubemos que alguns ficaram preocupados em ver pessoas na rocha e quase acionaram os bombeiros.

O material sugerido para repetição é no mínimo duas cordas de 50m, 2 jogos de camalots até o 3, sendo um número 4, 01 jogo de nuts e micro, 02 pares de cliffs, podendo ser o taloon. É interessante levar umas 03 chapeletas. Como fiz a primeira repetição dessa via deixei uma chapa exatamente após a primeira proteção fixa depois da fenda do segundo esticão que é o local onde não encontramos a proteção fixa sugerida no croqui e somente o parabolt.

            

primeiro esticão

primeiro esticão

 

rapelando a via

rapelando a via

Há um vídeo sobre essa escalada no youtube. Veja em:

Fazenda da Porteira

PH porteiraUma boa área com psicoblocs, boulders e blocos com vias esportivas é a área da Cachoeira da Porteira que fica na fazenda de mesmo nome, no km 12 da rodovia que liga a BR 174 a Balbina em Presidente Figueiredo – AM. No local há estrutura para camping e para alimentação, havendo um restaurante. O acesso é bem simples,  sendo o ponto alto a boa quantidade de blocos à beira da água.

Tem um video desse psico: veja em –

http://www.youtube.com/watch?v=1dq49m-2AIA&list=UU6iK-EtTw49IRgTAWrKY-RA&index=1&feature=plcp

Novo local de escalada em Presidente Figueiredo – AM

Até pouco tempo atrás eu e o pessoal da escalada em Manaus íamos somente para o lado direito da ponte no Km 113 no sentido de quem vai na direção de Boa Vista.

Recentemente em uma das minhas incursões solitárias para explorar a região fiquei conhecendo toda a área a esquerda da referida ponte. É um local com muito boas possibilidades de vias esportivas de grande dificuldade, com tetos, abaolados, regletes e agarrões.

A quantidade de boulders também é grande, tornando essa região uma referência para escaladores que passarem por Manaus e quiserem conhecer um bom local próximo à capital.

Até agora abrimos alguns boulders e testamos duas linhas em top rope, mas que em breve vai receber proteções fixas. Essas duas linhas são muito boas, ambas levemente negativas e uma delas com um tetinho muito instigante.

Abaixo algumas fotos da área…

linhas negativas de qualidade...

linhas negativas de qualidade…

Imagem

boulders em Paricatuba – AM

Paricatuba esá localizada a 35 km de Manaus. O acesso se dá pela AM 070 até a altura do km 19. Lá entra em estrada de chão e são mais 10km até a vila. Nesse local existem ruínas de um antigo hotel que também funcionou como educandário e leprosário.

A vila é pequena, estando nela é só ir até a beira do rio. Lá já serão visíveis os boulders de arenito que estão ao lado. Abri landes em seis dos blocos existentes. Como é arenito, a aderência dos pés é pior, ou seja, os lances ficam mais difíceis. Abaixo o boulder do Blocão um VO+, o qual possui uma extensão cotada em V4.

boulder do Blocão

rio Negro ao fundo – Paricatuba – AM

Abrimos 03 travessias interessantes e outros lances em negativo. Para quem quiser tomar um banho depois da escalada é só caminhar alguns metros e mergulhar nas águas do rio Negro. O interessante desse local é que nas épocas de cheias do rio, todos os boulders ficam embaixo da água!

lance final do boulder da fendinha - V3

lance final do boulder da fendinha – V3

Imagem

Viagens, caminhadas e escaladas

Morro do Canal - Piraquara - PR

 Morro do Canal em Piraquara – PR – local de boas caminhadas e escaladas

No link “Croqui de vias no Paraná e em Santa Catarina” aqui no BLog (ver área de links) há informações sobre as escaladas nessa montanha.

aspecto da rocha no Morro do Canal – PR

Sítio Serra Azul – Caconde – SP

O Sítio Serra Azul localiza-se em Caconde – SP bem próximo da divisa com Muzambinho em MG. É uma área com muitos boulders e falésias, tendo fácil acesso e paisagens bonitas dessa região serrana entre os dois estados. Na seção de links “Escalada em Minas” há informações completas de como chegar nesse local.

No caminho das Pratelheiras no PNI – RJ

A região do Parque Nacional do Itatiaia é muito bonita e possui diversos atrativos. O PNI possui um site onde disponibiliza as informações sobre acessos, taxas de entrada e etc. Há dois catálogos de escaladas sobre a região, sendo que as vias de escalada são geralmente de pequeno tamanho. As caminhadas são muito interessantes e há opções para todos os preparos físicos!

Paulinha na Pedra do Balão em Poços de Caldas – MG

A Pedra do Balão em Poços de Caldas em MG é de facílimo acesso. Basta chegar no centro da cidade e pegar a estrada para o Cristo Redentor. Próximo do final haverá uma entrada para a Pedra do Balão. As vias estão próximas do cume, bastando descer um pouco no sentido contrário do acesso de aproximação.

Via em Penedo – Itatiaia – RJ

boulders e falésias na região da cachoeira do Santuário

Na rodovia que segue para Balbina há diversas cachoeiras, cavernas, boulders e falésias. Aos poucos vou descobrindo mais locais para umas escaladinhas. A foto abaixo é da área da cachoeira do Santuário (Km 13)  que possui muitas falésias e boulders ainda a serem explorados! Para quem passar pela região vale a pena conhecer, pois os “picos” ficam ao lado da água.

boulder na cachoeira do Santuário - AM

boulder na cachoeira do Santuário – AM

via em estilo Big Wall – Presença de Laracna – RJ

Uma boa via para quem quer começar nas aventuras das escaladas de mais de um dia, chamadas de big wall, é a via Presença de Laracna. Localizada no Pico dos Quatro, na cidade do Rio de Janeiro, ela possui 450m de comprimento e é graduada em A2+ VI E2/3 D5, 14 esticões, com dois dias e meio a três para ser escalada e descida.

A característica marcante dessa via é que ela possui dois grandes platôs e uma caverna que estão  situados em partes  que dividem equitativamente a escalada, pois estão em  P3, P6 e entre P10 e P11,possibilitando que os pernoites sejam feitos nessas área. Assim, pode-se abrir mão da utilização dos portaledges, o que é viável na Presença de Laracna.

Nas duas vezes que entrei nessa via, os pernoites foram realizados nos locais descritos acima sem problemas. P6 é totalmente abrigado da chuva, um platô 5 estrelas!

Outra característica interessante dessa via é o pequeno tempo gasto para se acessar a sua base. O início está a cerca de 20 minutos de caminhada da estrada do Joá.  Nas vezes que a escalei também conseguimos água perto da base. Um reconhecimento prévio da trilha e da obtenção de água é fundamentail na estratégia de se ganhar tempo!

Tive a oportunidade de realizar a primeira repetição completa da Presença de Laracna após a sua conquista, onde constatei que é uma boa oportunidade para quem quer treinar artificial móvel. Subindo até o primeiro platô em P3 dá para realizar todos os procedimentos e técnicas de big wall em apenas um dia. Isso gastando pouco tempo para chegar à via, com sinal de celular e todas as outras comodidades de estar dentro da cidade do Rio.

Dois jogos de móveis, com peças equivalente até o camalot Nr 3, incluindo os micro são suficientes para a via. Um jogo de nuts de cabo é fundamental para a progressão nos parafusos. Os conquistadores citam a utilização de copperhead no croqui da via, mas dá para substituir por micro nut tranquilamente! Utilizei somente dois pítons de 6cm para fenda, mas eles são dispensáveis!

Um par de cliffs modelo talon é suficiente para a via, pois há progressão em agarras e buracos, particularmente no sexto esticão. Obviamente os outros equipamentos para um big wall são fundamentais como ascensores, estribos, cordas adicionais e etc.

Não há problemas na leitura da via. O final dela é um pouco sujo, com vegetação, mas chegar ao cume do Pico dos Quatro proporciona um grande visual da orla da cidade do Rio de Janeiro.

Outra informação importante é que a Presença de Laracna é rapelável de qualquer ponto. Não há necessidade de encordar a parede para a descida. Outro detalhe interessante é que do platô da caverna há uma linha de descida mais rápida até o chão, em um local diferente da base da via. É uma alternativa que pode ser utilizada também para acessar P6, através de lances em livre de 4° grau.

Presença de Laracna - traçado da via                                                                                                                         Fonte: viacrux

croqui da Presença de Laracna A2+ VI                                                                    Fonte: Croquiteca do Clube Excursionista Carioca

limpando o sétimo esticão

guiando o segundo esticão

via Lagartão da Mãe D’ Água em Petrópolis

Continuando a série de relatos sobre os locais onde eu tive a oportunidade de escalar, hoje vou relatar em detalhes uma bonita via que escalei por duas vezes (2004 e 2010)  em Petropolis – a via Lagartão da Mãe D’ Água. Essa via localiza-se na parte central da montanha e pode ser facilmente identificada, pois o primeiro esticão é em um diedro bem nítido.

Ela consta do Guia de Escaladas de Petrópolis, onde vc vai encontrar o croqui que é bem detalhado. A única informação que está ausente é o grau de exposição, mas na minha opinião a via esta entre E2 e E3.

A sua graduação é 6 VIIb A0 /(VIIIa) E2/3 D3  370m de comprimento com lances em móvel, aderência, agarras, oposição e um lagarto parecido com o Totem do Pão de Açúcar.

O primeiro esticão é em móvel, sendo um quinto grau constante e com proteções bem consistentes. O rack deve possuir peças equivalentes aos camalots .4 ao 3 com os .75, 1 e 2 repetidos. Assim, de 07 a 09 peças são suficientes para os lances em móvel.

Do segundo esticão até a base do lagarto a via possui lances de aderência, pequenas agarras e uma visualização técnica. Nesse trecho de 03 enfiadas a dificuldade gira em torno do sexto grau.

O lagartão da via é um show a parte.  A parede fica vertical, aparecem os lances de VIIa e VIIb e o lance de A0 / VIIIa que pude realizar em livre na segunda tentativa. Nessa parte da via, as proteções são próximas e colaboram no psicológico.

Após o lagarto a graduação vai caindo gradativamente até atingir a área com vegetação.

O rapel é pela própria via e é importante estar com duas cordas de no mínimo 50m. Além disso, e do material móvel já citado, 09 costuras são suficientes para a escalada.

Essa via é uma que considero 5 estrelas e ainda há de se considerar que o visual das montanhas ao redor é muito bonito. Vale a pena conferir!

O fato muito legal na escalada dessa via é que na primeira vez que fui lá foi com o pessoal do CEC. Foi em outubro de 2004 e abri uma prancheta oficial no clube.

Veja o agendamento da excursão à via Lagartão da Mãe D Água no informativo do CEC através do link: https://docs.google.com/file/d/0B-ynyEKoE1RVM3ZoVUFTQUEtUTQ/edit

eu guiando o Lagarto da via e Rosane Camargo na segurança.

Breve histórico do montanhismo no RS

Esse texto faz um breve resgate histórico do montanhismo no RS, além de citar os principais locais para escalada em rocha no Estado.

veja em:  https://docs.google.com/file/d/0B-ynyEKoE1RVYngzaktjdkhnc2c/edit

Pedra de Cucuí – AM

Essa fica ao lado da base do Exército em Cucui no estado do Amazonas. As paredes são bonitas, possuindo um pouco mais de 460m de altura.

Catálogo de vias em Resende – RJ

Bosque das Paredes Ocultas em Resende – RJ

 

Veja em: https://docs.google.com/file/d/0B-ynyEKoE1RVaGxoWUJJZmlILVU/edit

Locais de escalada próximos à Goiânia – GO

Morro do Mendanha – Fica em Goiânia, dentro da cidade, no Jardim Petrópolis ao lado da rodovia GO 060. São 10 vias (esportivas) com grau entre III e VIIIa,  as maiores não passam dos 15m, necessitando no máximo de 06 costuras.

Caldas Novas – Localizada a 170 Km de Goiânia, possui um Parque Estadual com ótimas opções de caminhadas e  escaladas. Contato no site – http://tofemasetti.wordpress.com/

Aragoiânia – A 20 Km da capital possui vários boulders e falésias com algumas vias esportivas.

Aparecida de Goiânia – Situada na grande Goiânia, lá se situam a Pedreira da Macumba, com vias de III a VIIc e a Pedreira dos Móveis, com alguns boulders, vias tanto em móvel como em proteção fixa, sendo a graduação de IV a VIsup.  As vias em móvel possuem certo grau de exposição, de E2 a E3/E4. Em ambos os locais o tamanho das vias não ultrapassa os 12 metros.

Hidrolândia – A cerca de 20 Km de Goiânia localiza-se o Morro Feio que é um local com grande potencial para boulder e pequenas vias. Lá foram catalogados mais de 20 boulders, além de 05 vias de até 25m em uma falésia. A graduação está entre IIIsup e V, sendo que algumas vias são em móvel.

Bonfinópolis – Situada a cerca de 30 Km da capital possui uma pedreira desativada com possibilidade de pequenas vias.  Na GO 010, distante cerca de 4Km da cidade, tem a entrada do Recanto Rio das Pedras, com vários boulders, muitos deles ainda inexplorados. Essa área de boulders é aprazível, pois se encontra ao lado de um rio onde existem balneários para banho.

Anicuns – Ótimo local para escalada em rocha e caminhadas que fica a 70 Km de Goiânia, possuindo cerca de 10 vias de até 60m com graduação entre II a VIIIb e inúmeros boulders com graduação até IX. Veja post específico nesse Blog.

Paraúna – A cerca de 140 Km de Goiânia é uma cidade com pedra para tudo que é lado. Na praça do Cristo há 04 vias, sendo a maior de 40 metros. Nas imediações da cidade há rios, locais para camping, trilhas e muitas possibilidades de conquistas. A área de boulders é imensa!!
Aloândia – Ao lado da cachoeira do Itambé existem duas vias com visual muito bonito. Uma se chama Aqui Dureza e Ali Beleza (VIIIa) e a outra Parceiros (VIIb), ambas com cerca de 30 m.

Cocalzinho – É um ótimo local, com muitos boulders. Próximo à Cocalzinho existem algumas vias como no Salto Corumbá.

Pirenópolis – O Morro do Cabeludo era uma referência, mas está com acesso restrito. Os 3 Picos, dentro do parque de mesmo nome, possuem muitas opções de vias e boulders.

           Morro do Mendanha em Goiânia – GO

Cachoeira do El Dorado em Barcelos – AM

Imagem Cachoeira do El Dorado localiza-se no município de Barcelos  AM- É a mais alta queda d’água do Brasil com mais de 350m de altura. A serra do Curupira, extremo norte do estado do Amazonas é uma região com diversas montanhas e cachoeiras praticamente desconhecidas dos brasileiros. Nessa área existem muitas paredes inexploradas, mechendo com a imaginação dos escaladores que a conhecem.

Atualmente, as montanhas e paredes da fronteira Norte são os grandes desafios aos brasileiros, pois envolve um comprometimento ainda maior. Há de se considerar que as condições climáticas aliadas à logística tornam uma conquista mais trabalhosa.

 A cada dia que passa fico sabendo de uma montanha ou cachoeira nova no Norte do País…

Catálogo de vias de escalada e boulders do Leme – RJ

Foram completadas as informações que faltavam sobre escaladas, croquis, boulders e trilhas  do Leme na cidade do Rio de Janeiro.

Essa área é um dos pontos mais bonitos da cidade do Rio de Janeiro. Fácil acesso, com a praia do Leme ao lado onde há quiosques e uma praça. Entre o mar e a Face W do Morro do Leme há um caminho dos pescadores. Ao longo desse caminho estão vias descritas no catálogo. Em uma tarde dá para escalar boa parte das vias dessa face. A entrada no Forte é permitida, informe-se e aproveite as trilhas, história do Forte Duque de Caxias e as demais escaladas desde boulder a tradicional em móvel.

Veja o catálogo em: https://docs.google.com/file/d/0B-ynyEKoE1RVQzNzTzZrZ0ZFN1U/edit

%d blogueiros gostam disto: